Topo
Saque e Voleio

Saque e Voleio

Monteiro, Wild e os Challengers que 'resgatam' o ano brasileiro

Alexandre Cossenza

05/11/2019 11h55

Não dá, nem pelo mais favorável dos prismas, para dizer que foi um grande ano para o tênis brasileiro. Bia Haddad Maia, a tenista do país com maior relevância no ranking, está atualmente suspensa provisoriamente em um caso de doping. João Souza, o Feijão, também cumpre suspensão provisória, mas sua acusação vem do órgão anticorrupção. Diego Matos foi banido do esporte pelo resto da vida por manipular o resultado de dez partidas. Thomaz Bellucci, principal expoente da modalidade nos últimos dez anos, segue sem recuperar seu nível e hoje é o #323 do planeta. O Brasil Open, ATP 250 de São Paulo, deixará de existir. A Confederação Brasileira de Tênis (CBT) segue sem um patrocinador máster e deixando a desejar em transparência, segundo relatório do Tribunal de Contas da União (TCU), e teve de cortar o apoio que ajudava Felipe Meligeni e Orlando Luz a treinarem em Barcelona.

As poucas notícias boas apareceram aqui e ali, quase sempre nas duplas, com Marcelo Melo, Bruno Soares e, mais recentemente, Luisa Stefani. João Menezes, que evoluiu visivelmente durante a temporada, foi uma feliz surpresa ao conquistar a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima (e praticamente assegurar uma vaga olímpica). E, agora, no finzinho do calendário, Thiago Monteiro e Thiago Wild, em semanas consecutivas, foram campeões dos Challengers de Lima e Guaiaquil, respectivamente. Dois ótimos resultados, ambos importantíssimos para seus objetivos pessoais, e que vêm num período em que, no ano passado, o máximo que o Brasil conseguiu foi um par de semifinais.

Para Monteiro, a conquista em Lima, auxiliada por semifinais em Buenos Aires e Santo Domingo, serviu para colocá-lo na atual 88ª posição na lista da ATP. É seu melhor ranking desde maio de 2017. Mais do que isso: é uma segurança para montar o calendário do começo de 2020 e uma garantia de vaga na chave principal do Australian Open, o que já vai lhe render um bom prêmio em dinheiro. E ainda mais: entre os 90, Monteiro se coloca perto da zona que costuma render uma vaga nos Jogos Olímpicos.

Thiago Wild, de 19 anos, conquistou em Guaiaquil seu primeiro Challenger da carreira e pulou para #235 no ranking mundial – é a melhor posição de sua carreira e um posto que deve lhe colocar no qualifying do Australian Open. Será, se confirmada, a primeira participação de Wild num slam como profissional. Vale lembrar que 2019 foi o primeiro ano do paranaense jogando apenas torneios profissionais e quase exclusivamente Challengers (disputou dois WTTs, os antigos Futures, e foi campeão em um). Para quem abriu o ano como #447, terminar como #235 mostra que houve evolução indiscutível.

Não é como durante o auge de Thomaz Bellucci, quando havia chance real de título nos ATPs durante um punhado de semanas na temporada – e para várias pessoas o tênis brasileiro andou para trás nos últimos 15 anos – mas terminar a temporada com dois títulos de Challenger (e ainda há chance de um terceiro nesta semana, em Montevidéu) é algo a ser comemorado, especialmente no cenário tempestuoso descrito no primeiro parágrafo.

Coisas que eu acho que acho:

– De modo geral, a sequência latino-americana de Challengers foi boa para o Brasil. Além de Wild e Monteiro, Orlandinho e Meligeni venceram alguns jogos, e Rafael Matos conquistou seus primeiros pontos nesse nível.

– No tênis feminino, Teliana Pereira vem, aos poucos, voltando a conseguir resultados. Fez seu primeiro torneio do ano em março, como #540 do mundo, encarou longos períodos na Europa, jogando qualifying em quase todas semanas, e hoje é a #375 do planeta. Ainda longe de seu melhor ranking (#43), mas um ótimo número para quem teve um 2018 curto, ficou sete meses sem competir e precisa lidar com a dor no dia-a-dia.

Torne-se um apoiador do blog e tenha acesso a conteúdo exclusivo (posts, podcasts e newsletters semanais) e promoções imperdíveis.

Acompanhe o Saque e Voleio no Twitter, no Facebook e no Instagram.

Sobre o autor

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais.
Contato: ac@cossenza.org

Sobre o blog

Se é sobre tênis, aparece aqui. Entrevistas, análises, curiosidades, crônicas e críticas. Às vezes fiscal, às vezes corneta, dependendo do dia, do assunto e de quem lê. Sempre crítico e autêntico, doa a quem doer.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Saque e Voleio