Topo
Saque e Voleio

Saque e Voleio

Podcast Saque e Voleio: S01E30

Alexandre Cossenza

03/09/2019 10h42

O 30º episódio do podcast Saque e Voleio, no ar para os apoiadores do blog, traz uma análise das oitavas de final do US Open, com meus palpites e previsões para as quartas e o resto do torneio. Destaco as derrotas dos líderes de ranking, Naomi Osaka e Novak Djokovic, e suas consequências.

Na chave feminina, destaco mais uma vez o altíssimo nível que Serena Williams vem mantendo no torneio, mas também ressalto os muitos méritos de Belinda Bencic para derrotar Osaka e as muitas qualidades de Bianca Andreescu na vitória sobre Taylor Townsend. Comento os confrontos de quartas de final, com os devidos palpites e os devidos porquês.

Sobre o torneio masculino, destaco o backhand de Wawrinka (sempre!) e o quanto ele pesou na desistência de Djokovic, e considero o quanto o torneio ficou melhor para Federer e Nadal, que nunca se enfrentaram em Nova York apesar de o duelo estar perto de acontecer em diversas oportunidades. Destaco também os méritos de Schwartzman, o momento ruim de Zverev e o quanto Dimitrov e Monfils aproveitaram suas chances. A análise também inclui palpites e seus porquês.

Quem já apoia o Saque e Voleio pode acessar o link para o episódio lá no Mural do Apoia.se. Quem mais quiser curtir o podcast pode aproveitar a ocasião para começar a apoiar o blog (com R$ 15 mensais, você tem direito a conteúdo exclusivo e newsletter semanal, além de brindes e promoções). Basta visitar o Apoia.se, conhecer melhor o programa de financiamento coletivo recorrente do Saque e Voleio e fazer sua contribuição.

Sobre o autor

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais.
Contato: ac@cossenza.org

Sobre o blog

Se é sobre tênis, aparece aqui. Entrevistas, análises, curiosidades, crônicas e críticas. Às vezes fiscal, às vezes corneta, dependendo do dia, do assunto e de quem lê. Sempre crítico e autêntico, doa a quem doer.