Topo
Saque e Voleio

Saque e Voleio

Rafael Nadal agride mais do que Cilic e avança às quartas do US Open

Alexandre Cossenza

02/09/2019 23h10

O ótimo saque e o tênis agressivo de Marin Cilic sempre causam problemas para Rafael Nadal. Foi assim também nesta segunda-feira, nas oitavas de final do US Open. Durante dois sets, o duelo foi parelho, com pouca margem para erros. A solução encontrada pelo #2 do mundo foi atacar mais do que o rival. A tarefa não era fácil, mas Nadal a executou brilhantemente e saiu vencedor por 6/3, 3/6, 6/1 e 6/2.

Com o triunfo, o sétimo em nove partidas contra Cilic, Nadal segue como forte candidato ao tetracampeonato em Nova York. Em sua 40º participação nas quartas de final de um slam, ele vai enfrentar o argentino Diego Schwartzman, #21 do mundo, que vem de vitória sobre o alemão Alexander Zverev, #6, por 3/6, 6/2, 6/4 e 6/3.

Começo como de costume

Diante do jogo agressivo de Cilic, Nadal costuma mais defender do que atacar, e não foi diferente no começo do duelo desta segunda-feira. Desde o primeiro set, o placar registrou mais winners do croata. No entanto, o espanhol foi muito mais eficiente com sua agressividade, e a consistência foi o fator que colocou a dinâmica do jogo a seu favor. A primeira quebra veio no quarto game, com um trio de erros de Cilic. O croata, contudo, compensou no game seguinte, com três winners que lhe recuperaram a igualdade. Só que Nadal anotou mais uma quebra no sexto game, e Cilic não teve mais chances depois disso. O croata terminou a parcial com dois winners a mais (8 a 6), mas também registrou mais erros do que o número 2 do mundo (12 a 5).

O nível aumentou no segundo set. Cilic manteve a agressividade, mas passou a errar menos. Nadal manteve sua estratégia, mas pecou por um game ruim, com dois forehand paralelos saindo por pouco. No break point, errou um backhand e deu a vantagem ao croata. Bom nos games de serviço, Cilic não desperdiçou a dianteira e, sem ceder um break point sequer, fechou a parcial em 6/3, igualando a partida. Os números mostraram a diferença: Cilic teme mais winners (12 a 9), e houve empate no número de erros (7 a 7).

Nadal ataca mais e jogo muda

O jogo entrava pela noite nova-iorquina e seguia melhorando. Nadal começou a atacar mais nas devoluções e teve dois break points já no segundo game do terceiro set. Arriscou com um retorno de backhand e perdeu sua melhor chance, com a bola saindo ao lado. Dois games depois, o melhor momento da noite. Rafa venceu um ponto com um smash de costas e outro depois de defender dois smashes de Cilic (veja acima). Pressionado, o croata cometeu uma dupla falta no 0/40 e perdeu o game. A maré mudou, e o espanhol disparou na frente, novamente agredindo e atacando no saque de Cilic para registrar outra quebra no sexto game. Quando a parcial terminou, Nadal já somava mais winners (26 a 24) do que Cilic e registrava dez erros não forçados a menos (18 a 28).

Cilic mostrava-se desconfortável precisando encontrar um meio-termo para sair da defesa e voltar a agredir mais do que Nadal. Logo no primeiro game do quarto set, cometeu dois erros não forçados e perdeu o serviço com uma dupla falta. Rafa abriu 2/0 e não aliviou. Tentando se aproximar cada vez mais da linha de base logo depois das devoluções, o espanhol continuou pressionando o campeão do US Open de 2014. Cilic não conseguiu se recuperar mais. Com dois erros seguidos, perdeu o serviço no terceiro game e viu-se em um buraco de onde era quase impossível sair. Rafa ainda salvou um break point no quarto game com um backhand vencedor, mas não foi mais ameaçado. Tomou as rédeas do jogo e não largou mais.

Ao fim do jogo, as estatísticas refletiam a superioridade ofensiva de Rafa, que somou 37 winners, incluindo uma espetacular passada por fora da rede no último game, que foi quase um golpe de misericórdia em Cilic (veja acima). O croata, por sua vez, executou 33 bolas vencedoras e cometeu 14 erros a mais que o espanhol (40 a 26).

Sobre o autor

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais.
Contato: ac@cossenza.org

Sobre o blog

Se é sobre tênis, aparece aqui. Entrevistas, análises, curiosidades, crônicas e críticas. Às vezes fiscal, às vezes corneta, dependendo do dia, do assunto e de quem lê. Sempre crítico e autêntico, doa a quem doer.