Topo
Saque e Voleio

Saque e Voleio

Zerado nos break points, Federer tomba diante de um inspirado Tsitsipas

Alexandre Cossenza

2020-01-20T19:10:01

20/01/2019 10h01

Roger Federer teve 12 chances de quebrar o saque de Stefanos Tsitsipas espalhadas pelos três primeiros sets. Não converteu nenhuma e, com quase 3h de partida, viu-se perdendo por 2 sets a 1. O jovem grego, 20 anos e #15 do mundo, ganhou ainda mais confiança após vencer o terceiro set e aproveitou para completar uma noite inspirada e protagonizar a maior zebra do Australian Open até agora. Por 6/7(11), 7/6(3), 7/5 e 7/6(5), em 3h45min, derrubou o suíço, atual campeão do evento, e conquistou um lugar nas quartas de final.

Tsitsipas já faz a melhor campanha de sua carreira em um slam. Até o começo deste Australian Open, seu melhor resultado eram as oitavas de final de Wimbledon/2018, onde caiu nas oitavas diante de John Isner. O próximo passo para o grego é buscar um lugar entre os quatro melhores em Melbourne. Seu adversário será o espanhol Roberto Bautista Agut, #24, que vem de nove vitórias seguidas e eliminou Marin Cilic neste domingo.

Como aconteceu

O primeiro set foi tão bom quanto equilibrado. Depois dos dois break points salvos por Tsitsipas no primeiro game, ninguém mais teve chances de quebra. A decisão veio no tie-break e com boa dose de drama. A vantagem trocou de mãos, e o suíço teve 5/4 com o saque, mas espirrou uma direita e perdeu o mini-break de frente. Os dois tenistas, juntos, ganharam 13 pontos de saque seguidos, com cada um salvando três set points. Só quando o grego sacou em 11/12 é que Federer conseguiu atacar e forçar um erro de direita do rival, definindo o set em 7/6(11).

Na segunda parcial, Federer conseguiu ameaçar mais o serviço de Tsitsipas. O grego precisou salvar três break points no sexto game e saiu de 0/30, escapando de mais uma chance de quebra, no oitavo. Parecia, contudo, questão de tempo até que o suíço disparasse no placar. Era difícil imaginar o grego mantendo o nível de seu tênis tão alto em tantos momentos delicados.

Na devolução, Tsitsipas arriscava e acertava pouco. Depois de três games sem conseguir tirar um pontinho sequer no serviço do suíço, o grego voltou a ser ameaçado no décimo game. Salvou dois breaks point com ótimos saques e ganhou dois ralis para salvar outros dois. A parcial acabou indo para o tie-break. Era justamente o que Tsitsipas precisava.

O grego abriu o game de desempate com mini-break graças a uma direita ruim do suíço, mas Federer se recuperou e igualou em 3/3. Só que Tsitsipas jogava cheio de confiança e, com dois pontos perfeitos, abriu 6/3 com o saque. Sem titubear, aproveitou um ótimo serviço e fechou o set com uma direita: 7/6(3)

Quando o terceiro set começou, Federer já somava dez break points sem conseguir converter nenhum. Pois o suíço teve mais duas chances de quebra no sétimo game e, novamente, não teve sucesso. Primeiro, errou uma direita. Depois, viu Tsitsipas disparar um winner de esquerda. E foi justamente depois disso que o grego teve seus primeiros break points no jogo. Federer também foi brilhante sob pressão e se salvou, ganhando pontos com uma direita vencedora e um saque que o grego não devolveu.

O jogo parecia rumar para mais um tie-break, mas foi aí que Federer vacilou. Sacando em 5/6, errou três direitas seguidas – uma longa, uma ao lado e uma na rede – para perder o serviço e o set: 7/5.

O quarto set foi equilibrado e com Tsitsipas encontrando menos problemas para confirmar o saque. O grego recebeu atendimento médico na perna após o sétimo game, quando vencia por 4/3, mas não dava sinais claros de cansaço e confirmou o serviço novamente para fazer 5/4 e pressionar o suíço, que resistiu até forçar mais um tie-break. No game de desempate (assista na íntegra no vídeo abaixo), o azarão foi novamente melhor. O mini-break decisivo veio graças a uma direita longa do suíço quando o placar mostrava 5/5. Tsitsipas não vacilou. Com uma bela direita de dentro para fora, forçou um erro do suíço e completou uma noite memorável.

Espanhóis à vista

O próximo jogo de Tsitsipas no Australian Open é contra Roberto Bautista Agut, que eliminou o croata Marin Cilic neste domingo por 6/7(6), 6/3, 6/2, 4/6 e 6/4. O espanhol ainda está invicto na temporada. O atual #24 do mundo foi campeão do ATP 250 de Doha, seu único torneio antes de ir a Melbourne. Ele soma nove vitórias seguidas, e sua lista de vítimas inclui Novak Djokovic, Andy Murray, Stan Wawrinka, Marin Cilic, Tomas Berdych e Karen Khachanov. Não é pouca coisa…

Se quebrar a sequência de Bautista Agut, o grego avançará para as semifinais e provavelmente vai encontrar Rafael Nadal. O espanhol se classificou para as quartas com uma vitória maiúscula sobre Tomas Berdych: 6/0, 6/1 e 7/6(4) – um encontro decepcionante, considerando o belo tênis que o tcheco vinha mostrando em Melbourne até este domingo. Nadal agora será favorito contra Frances Tiafoe, 20 anos, #39 do mundo, que já faz a melhor campanha da carreira em um slam. O jovem americano alcançou as quartas depois de uma bela vitória sobre o búlgaro Grigor Dimitrov: 7/6, 7/6(6), 6/7(1) e 7/5.

Sobre o autor

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais.
Contato: ac@cossenza.org

Sobre o blog

Se é sobre tênis, aparece aqui. Entrevistas, análises, curiosidades, crônicas e críticas. Às vezes fiscal, às vezes corneta, dependendo do dia, do assunto e de quem lê. Sempre crítico e autêntico, doa a quem doer.