Saque e Voleio

Arquivo : reforma

ITF radicaliza para tentar tornar circuito profissional sustentável
Comentários Comente

Alexandre Cossenza

A Federação Internacional de Tênis (ITF) anunciou, nesta quinta-feira, uma série de grandes mudanças no circuito profissional e no sistema de transição pós-juvenil. A intenção da entidade é reduzir o número de tenistas profissionais a um “grupo verdadeiramente profissional” de cerca de 750 homens e 750 mulheres. Hoje, segundo estimativas da ITF, há por volta de 14 mil tenistas competindo em torneios profissionais, e quase metade desse número é composta por gente que não recebe prêmio em dinheiro.

Como isso vai funcionar? Segundo o comunicado da ITF, os atuais torneios de US$ 15 mil serão reposicionados e deixarão de fazer parte do circuito profissional. Eles passarão a integrar uma “Transition Tour” – turnê/tour de transição — e não distribuirão dinheiro, mas darão pontos de entrada na ITF. Só quem tiver esses pontos de entrada vai poder jogar o circuito profissional. A ITF ainda enfatiza que esses torneio de transição serão realizados em espécies de pequenos circuitos regionais, o que vai diminuir custos para tenistas e organizadores.

Segundo a entidade, essa nova estrutura vai “introduzir um caminho profissional mais claro e eficiente e garantir que o prêmio em dinheiro no circuito profissional da ITF [o atual nível Future da ATP] seja mais bem direcionado para garantir que mais jogadores possam viver do esporte profissional.”

Na prática, a ITF está criando um funil para reduzir também o número de eventos profissionais (leia-se “que distribuem dinheiro”). A consequência mais desejada do processo é fazer com que o prêmio em dinheiro que existe atualmente no circuito seja suficiente para manter esse “grupo verdadeiramente profissional” de jogadores em atividade – mesmo que exista outro efeito cruel, que é tornar o tênis competitivo um esporte de acesso ainda mais complicado.

A ITF diz ter chegado a essas conclusões após um longo processo de análise do tênis que incluiu dados de 2001 a 2013 e entrevistas com mais de 60 mil pessoas no meio do tênis (jogadores, federações, técnicos e promotores). O novo presidente da entidade, David Haggerty, diz que “foi o maior estudo do tênis profissional já feito e que ressaltou os ‘desafios’ (em corporativês, desafio é sinônimo de problemas e defeitos) consideráveis na base de nosso esporte. Mais de 14 mil tenistas competiram no nível profissional no ano passado, e isso é simplesmente demais. Mudanças radicais são necessárias para tratar das questões de transição entre o tênis juvenil e o profissional, viabilidade financeira e custos de torneios.”

Números de 2013 a considerar:

– Segundo o estudo, um tenista homem gastava, em média, US$ 38 mil por ano, enquanto uma mulher precisava gastar US$ 40.180. Esse número inclui voos, hospedagem, comida, encordoamento, lavanderia, roupas, equipamento e transporte, mas não leva em conta gastos com treinadores.

– O chamado “break even point” (quando o tenista pelo menos não perde dinheiro para se manter jogando) era o 336º posto no ranking da ATP. Na WTA, o mesmo era o 253º lugar.

– Um total de 3.896 tenistas homens disputaram torneios profissionais e não receberam prêmio em dinheiro nenhum; no circuito feminino, 2.212 atletas jogaram e não ganharam nada.

– Apenas 1% dos tenistas homens abocanhou 60% (US$ 97.448.106) do total do prêmio em dinheiro (cerca de US$ 162 milhões). Entre as mulheres, o mesmo 1% da elite levou 51% da premiação total (cerca de US$ 120 milhões).

Coisas que eu acho que acho:

– Talvez mais importante do que a ITF tomar medidas para mudar o tênis tenha sido a postura de abrir o jogo, citando números e sem esconder o tamanho da desigualdade no esporte e o quão difícil é sobreviver jogando em torneios pequenos. Os relatórios citam várias estatísticas, ilustradas com gráficos e planilhas de todo tipo. Quem quiser se aprofundar pode ler sobre o circuito profissional aqui e sobre o circuito juvenil aqui. O relatório com as entrevistas dos jogadores está neste link, e as entrevistas com não-tenistas estão aqui.

– Uma dos pontos que achei interessante nas pesquisas de opinião é que 70% dos não-tenistas concordaram que havia uma necessidade de mudar a distribuição do prize money. Entre essas mesmas pessoas, a maioria era favorável a aumentar o dinheiro nas primeira rodadas e reduzir nas fases finais. E a opção menos popular foi eliminar as chaves de duplas.


A (não) expansão de Roland Garros e a lição da França para o mundo
Comentários Comente

Alexandre Cossenza

Toda vez que chove em Roland Garros o assunto vem à tona. Quando sairão do papel os planos para expansão do complexo? Quando a Quadra Philippe Chatrier terá um teto retrátil? Embora as duas questões não estejam necessariamente ligadas, é isso que a organização atual do torneio quer que o mundo acredite. Entretanto, não importa o quanto o evento tem a ganhar com uma quadra coberta e seus planos de expansão, há um grupo de oposição que vem lutando até hoje contra a “expansão territorial” do Slam do saibro.

Chatrier_RG_div_blog

A primeira tentativa

Quando começou a ficar bastante claro que Roland Garros já estava atrás em relação aos outros Slams, a Federação Francesa de Tênis (FFT) anunciou, em 2010, planos de mudar o torneio de local e disse estar considerando três outras locações: Marne-la-Vallée, Gonosse (perto do aeroporto Charles de Gaulle) e Versalhes (em uma base aérea sem uso).

O anúncio foi visto por muitos como um blefe, uma jogada para convencer autoridades da cidade de que Roland Garros havia atingido seu limite e que, para ficar em Paris, seria necessária ajuda de legisladores. Se era mesmo um blefe, ninguém pagou para ver. Em 2011, a própria FFT votou por manter o evento no local de sempre, alegando que sairia caro demais construir um novo complexo.

O plano B

Em 2013, a FFT anunciou o plano de expandir o complexo atual, colocando iluminação artificial e teto retrátil na Chatrier, demolindo a Quadra 1 e construindo uma nova arena utilizando o terreno do jardim botânico vizinho Jardins des Serres d’Auteuil. E aí atraiu a ira de ambientalistas, moradores da vizinhança e autoridades da cidade.

No mesmo ano, um tribunal administrativo de Paris travou os planos por julgar que a quadra com capacidade para quase 5 mil lugares prejudicaria o jardim botânico. Além disso, a quantia em dinheiro que a FFT havia sugerido pagar à cidade era muito pequena (sempre há dinheiro). Naquela ano, vale lembrar, a FFT prometia o complexo totalmente modernizado em… 2016!

Os ambientalistas

O “tal jardim botânico”, cujo nome oficial é Jardin Botanique des Serres d’Auteuil, não é um jardim qualquer. O local foi inaugurado em 1898 e projetado pelo renomado Jean-Camille Formigé. É considerado monumento nacional francês. Para construir uma quadra nova ali, o torneio destruiria 14 estufas que hoje abrigam cerca de 10 mil espécies de plantas tropicais e subtropicais – algumas correndo risco de extinção.

O argumento dos ambientalistas, além de obviamente defender o local, lembra que três associações nacionais endossam a expansão de Roland Garros na direção norte, onde cobriria parte de uma estrada (A13). Há uma petição online já com 80 mil assinaturas pedindo a manutenção do jardim botânico como está hoje.

O torneio, por sua vez, diz que as estufas derrubadas não têm nenhum valor arquitetônico e que serão construídas estufas novas, modeladas nas “estufas históricas desenhadas por Jean-Camille Formigé”.

JB_div_blog

A insistência

Em junho do ano passado, mesmo depois de o Ministério da Ecologia questionar o projeto do torneio e mostrar a viabilidade técnica da expansão de Roland Garros na direção da A13, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, disse que a permissão havia sido dada. A prefeitura, vale lembrar, tem interesse de realizar os Jogos Olímpicos de 2024 na capital francesa e usa isso como argumento para justificar a expansão de Roland Garros. Talvez os fãs brasileiros de automobilismo vejam algo de familiar na história.

No entanto, em dezembro, um tribunal administrativo da cidade embargou a obra que envolve a apropriação do terreno do jardim botânico. Por isso, o diretor do torneio, Guy Forget, culpa a burocracia francesa toda vez que chove e ele precisa explicar por que não há teto retrátil na Chatrier.

E o quico?

A pergunta que ninguém na organização de Roland Garros parece disposto a responder é: por que diabos se faz necessário aprovar a expansão para que seja construído um teto retrátil na Chatrier e as quadras passem a ter iluminação artificial? Forget diz que para construir um teto será necessário demolir a arquibancada atual e construir outra estrutura. Soa, no mínimo, estranho já que Wimbledon construiu um teto sem derrubar a Quadra Central (só derrubou a cobertura antiga), e o US Open está construindo uma cobertura retrátil para o gigantesco Arthur Ashe Stadium sem diminuir a capacidade da quadra.

Também não encontrei nenhuma declaração da organização de Roland Garros ou da FFT sobre a questão da iluminação artificial. Entre todas alterações imagináveis em um torneio de tênis, instalar holofotes parece a menos custosa e mais viável. E seguem as perguntas no ar. Em que a burocracia francesa atrasa o teto retrátil e a iluminação artificial? Não são seriam essas as melhorias mais importantes para o andamento de um torneio?

A impressão para quem vê de fora é que o torneio usa sua própria incapacidade como pretexto para poder realizar obras caras e polêmicas aprovadas. Quase repetindo a frase de quatro parágrafos acima, afirmo: moradores do Rio de Janeiro, uma cidade com sérios problemas de transporte, devem ver algo de familiar.

A lição francesa

Paris precisa mesmo destruir, ainda que parcialmente, um jardim botânico para expandir um torneio que já é extremamente lucrativo e acontece durante apenas duas semanas por ano? A cidade precisa mesmo derrubar um estádio e gastar um bilhão para construir uma nova arena que não terá competições nem eventos suficientes para se sustentar por conta própria no futuro?

Perdão, me confundi na segunda pergunta acima, que era sobre uma capital sul-americana que recebeu meia dúzia de partidas em um evento que durou 30 dias. Mas veem a semelhança? A França não cedeu. Ambientalistas seguem brigando por um patrimônio nacional e, apesar do lobby da prefeitura francesa, preocupada com os Jogos Olímpicos de 2024, tribunais administrativos da cidade avaliaram a questão e bloquearam a obra.

Pode ser que, no futuro, a expansão de Roland Garros seja aprovada de forma definitiva e que o tênis tome parte do terreno do jardim botânico. O importante é saber que isso não acontecerá sem uma avaliação profunda do projeto, sem que a Federação Francesa dê as devidas garantias, sem que a indenização seja correta… Enfim, sem que a cidade saia perdendo. Até agora, os tribunais franceses vêm dando uma lição. Basta olhar e querer aprender.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>