Saque e Voleio

Arquivo : mattek-sands

AO, dia 12: a força de Rafa, o brilho de Grigor e a final dos sonhos
Comentários Comente

Alexandre Cossenza

Faltou ar e não foi pouco. Dois tie-breaks, ralis obscenos, bolas improváveis riscando milímetros de linha, break point para cá, chances de quebra para lá… Durante a maior parte das 4h56min, Rafael Nadal e Grigor Dimitrov foram aos limites da quadra, das pernas, da cabeça e do coração. Lançaram equações ao rival, desenharam fórmulas e encontraram soluções. Até que o último backhand errado do búlgaro decretou: 6/3, 5/7, 7/6(5), 6/7(4) e 6/4. Nadal está na final do Australian Open mais uma vez e vai fazer o jogo dos sonhos com Roger Federer.

Nadal_AO17_SF_get_blog

A força de Rafa

Tirando o primeiro set, este memorável Nadal x Dimitrov não teve um momento de tranquilidade para tenista algum. E a primeira parcial nem foi tão folgada assim. O espanhol precisou sair de 15/40 já no game inicial antes de quebrar o oponente no quarto game e aproveitar a vantagem. O segundo set foi insano, com os dois nervosos e errando muito. Depois de duas quebras para cada lado, Nadal escapou de quatro set points no décimo game, mas Dimitrov não repetiu o vacilo de Raonic dois dias antes. No 12º game, finalmente quebrou e empatou o jogo.

O duelo para atacar primeiro existiu desde o início. Nadal buscava o backhand de Dimitrov e ganhava mais ralis. O búlgaro sacava melhor, corria mais riscos do fundo de quadra e mantinha tudo equilibrado. Tão equilibrado que dois tie-breaks foram necessários. No primeiro, ganhou a cautela de Nadal, que exigiu riscos de Dimitrov. O búlgaro errou mais e perdeu por 7/5. No segundo, o azarão (quase injusto escrever isso após um jogo assim) se impôs na devolução. Levou por 7/4.

E aí veio o quinto set, com todo drama que faz parte da definição de um quinto set. Dimitrov já saiu de um 15/40 no primeiro game, muito graças a um forehand insano na paralela. Nadal também salvou break point no segundo game. Os dois tinham problemas para confirmar. No oitavo game, foi Nadal que encarou um 15/40. Primeiro, disparou uma paralela enorme de backhand. Depois, subiu à rede com eficiência. A pressão estava de novo na raquete de Dimitrov.

Foi o búlgaro, no fim das contas, quem não resistiu. No 30/40, escolheu subir à rede no forehand do espanhol. Pagou o preço. E assim, 4h56min depois, Nadal confirmou a final contra Roger Federer.

Mais de cinco anos depois, a final dos sonhos

Até o fim da década passada, era quase regra. Pelo menos uma vez por ano, Rafael Nadal e Roger Federer se encontravam em uma final de Slam. Foram duas em 2006, mais duas no ano seguinte, duas em 2008 e uma em 2009 – sem contar a semi/final antecipada de Roland Garros em 2005.

A última vez que isso aconteceu foi na decisão do Slam francês em 2011. Depois daquele jogo, Nadal e Federer oscilaram, enquanto Djokovic dominava. Em 2010, o suíço teve dois match points para encontrar Nadal na final do US Open, mas cedeu a virada para o sérvio na semifinal. Em 2011, o raio caiu pela segunda vez no mesmo lugar. Federer teve dois match points, e Djokovic milagrosamente avançou.

Quando Nadal esteve voando, em 2013, Federer teve lesões. O suíço, por sua vez, jogou finais em 2014 e 2015, mas Nadal ficou pelo caminho. E agora, com o espanhol em nono no ranking e o suíço em 17º, era improvável. Quase impossível. Os dois, afinal, poderiam ter sido sorteados no mesmo lado da chave. Só que não. E ainda contaram com as quedas precoces de Murray e Djokovic.

A rivalidade em números

Será o 35º jogo entre Federer e Nadal. O espanhol leva vantagem em confrontos diretos, com 23 vitórias e 11 derrotas. Em Slams, são 11 encontros, com nove triunfos de Nadal. Em Melbourne, são três duelos – todos vencidos pelo espanhol. E ao todo, em quadras duras (indoor e outdoor), o retrospecto é de 9 a 7 para Rafa.

Em finais de Slam, o placar mostra 6 a 2 para Nadal – Federer venceu em Wimbledon em 2006 e 2007. Nadal venceu em Roland Garros (2006, 07, 08 e 11), Wimbledon (2008) e em Melbourne (2009).

Os 12 encontros de Federer e Nadal em Slams nem são um recorde na Era Aberta. A maior marca é de Federer x Djokovic, com 15 jogos. O segundo lugar é o duelo Djokovic x Nadal, que já aconteceu 13 vezes nesse tipo de torneio.

Contando todo tipo de torneio, a rivalidade Federer x Nadal divide a sexta posição entre os duelos mais jogados. Djokovic x Nadal, com 49, tem o recorde, seguido de Djokovic x Federer (45), Lendl x McEnroe (36), Connors x Lendl (36), Djokovic x Murray (36), Connors x McEnroe (35) e Becker x Edberg (35).

A evolução de Dimitrov

Depois de um 2016 abaixo das expectativas, que incluiu uma série de seis derrotas de Istambul até Queen’s e fez seu ranking cair para #40, o ex-top 10 se reencontrou, agora com a ajuda do treinador Dani Vallverdu (ex-Murray e Berdych). Começou o ano com o título de Brisbane (bateu Thim, Raonic e Nishikori em sequência) e esteve a alguns pontos da final do Australian Open.

A atuação contra Rafa Nadal foi uma ótima vitrine para seus avanços. Sacou bem, mostrou um backhand bastante sólido e, principalmente, manteve-se bem fisicamente durante as quase cinco horas de jogo. Sai de Melbourne como número 12 do mundo e, com folga, como o não-top-10 em melhor forma – sem contar Roger Federer porque o suíço só está no ranking atual por causa da ausência de seis meses provocada por lesão.

A Liga Retrô: por que agora?

Não é só o inquestionável talento que juntou quatro tenistas com mais de 30 anos nas finais do Australian Open. Há um punhado de outros fatores que, com maior ou menor peso, precisam ser levados em conta nessa equação.

No caso de Federer, é inegável que a velocidade da quadra ajudou – como deve ajudar contra Nadal. Com um piso mais rápido, o suíço conseguiu impor um jogo mais agressivo e evitar um número maior de ralis contra Kei Nishikori e Stan Wawrinka, por exemplo. Tanto o japonês quanto o atual número 1 da Suíça teriam mais chances em pisos mais lentos.

O mesmo vale para Venus Williams, que também é dona de um jogo agressivo e não tem a melhor defesa do circuito – normal para quem tem 1,85m de altura e 36 anos. Além disso, as principais candidatas a derrubar a americana ficaram pelo caminho. Simona Halep, cabeça 4, tombou na estreia. Garbiñe Muguruza, a cabeça 7, foi vítima de uma atuação inspirada de Coco Vandeweghe. Venus chega à decisão após passar por Kozlova, Voegele, Duan, Marthel, Pavlyuchenkova e Vandeweghe. Não é a mais dura das chaves em um Slam.

Por fim, apenas registrando o óbvio e que já foi extensamente discutido, o circuito “envelheceu” graças a técnicas de recuperação mais avançadas e que permitem que atletas joguem em alto nível por mais tempo. E, insistindo no óbvio, os quatro são tenistas espetaculares.

As campeãs

A final de duplas foi disputada na tarde desta sexta e terminou com mais um título de Bethanie Mattek-Sands, atual número 1 do mundo, e sua parceira, Lucie Safarova. O chamado “Team Bucie” superou Andrea Hlavackova e Shuai Peng na decisão por 6/7(4), 6/3 e 6/3.

É o quarto Grand Slam da parceria e o segundo em Melbourne. Juntas, Mattek-Sands e Safarova também venceram o Australian Open em 2015, Roland Garros/2015 e o US Open/2016.

A final de duplas masculinas está marcada para este sábado e vai começar após a final feminina entra Serena e Venus Williams.


Curtinhas cariocas da terça-feira
Comentários Comente

Alexandre Cossenza

Nadal_Rio_1r_agif_blog

Rafael Nadal derrotou Thomaz Bellucci sem grandes dificuldades, encerrando uma interessante rodada de terça-feira no Rio Open. O jogo, grande atração da rodada, esteve longe de ser o único momento bacana do dia. Por isso, as curtinhas cariocas voltam ao Saque e Voleio. Fiquem por dentro:

– Das coisas que pouca gente vê… Um dos compromissos dos tenistas é, após o encerramento de uma partida na Quadra Central, disputar um ponto com um convidado de um dos patrocinadores. Foi o que fez David Ferrer. Nadal foi mais longe. Ficou uns bons cinco minutos, com um sorriso no rosto o tempo inteiro, jogando com um cliente do Itaú. Impagável. Depois disso, ainda ficou mais alguns longos minutos dando autógrafos aos fãs que se amontoavam no portão de saída.

– Na coletiva, Bellucci reclamou um bocado de seu saque, enquanto Nadal disse que fez uma partida “correta”, sem tentar coisas mais complicadas porque sabia que não era o momento para isso. O ex-número 1 do mundo também disse que o brasileiro tem tudo para estar em um ranking mais elevado. “Tem golpes, tem serviço…” Nadal não disse, mas sua expressão tinha uma cara de “não entendo como Bellucci perde alguns jogos.” Muitos conhecem essa sensação…

– Aliás, vale lembrar que choveu fraco durante boa parte da partida entre Nadal e Bellucci. A Quadra Central, assim como as menores, vem resistindo bem aos pingos. O torneio segue sem atrasos.

– Feijão também fez uma belíssima partida e derrotou Facundo Arguello (de quem havia perdido todos os quatro jogos anteriores) por 6/1 e 6/1. Feliz com o bom momento – vem de uma semifinal em São Paulo -, evitou mais uma vez falar em Copa Davis (embora sua convocação, extraoficialmente, esteja garantida) e afirmou que está se sentindo à vontade nos ambientes dos torneios ATP. O melhor momento de sua entrevista foi na última pergunta, feita por um jornalista argentino, que indagava sobre o comportamento da torcida brasileira. Em espanhol fluente (já viajou e viaja com treinadores argentinos por um bom tempo) , Feijão respondeu que os brasileiros gostam de gritar, mas que as pessoas não são tão educadas assim na Argentina e no Uruguai, onde já esteve para uma Copa Davis.

– Bethanie Mattek-Sands teve um papo animado com Felipe Priante, do Tenisbrasil. Além da ótima entrevista, que fugiu da mesmice que seria falar apenas sobre moda, Felipe, que vestia uma camisa de Aaron Rodgers, quarterback do Green Bay Packers, ainda ganhou um tweet da americana.

– O jogo mais agitado do dia foi entre Nicolás Almagro e Pablo Cuevas. No caldeirão que é a Quadra 1, com a torcida pertinho dos jogadores, o ambiente é sempre propício para que algum fã exaltado tente provocar um tenista. Não estive na quadra, mas o relato na sala de imprensa era de que Almagro conseguiu fazer todo o público ficar ao lado de Cuevas. O uruguaio acabou vencendo por 4/6, 6/3 e 6/4. O espanhol saiu sem dar autógrafos.

– Ainda sobre a Quadra 1, Bruno Soares disse, como no ano passado, que adora o ambiente para jogar lá. O mineiro até notou que a arquibancada de um dos lados é maior do que em 2014. A capacidade este ano é para pouco mais de mil pessoas. André Sá e Feijão, lembremos, também venceram jogando juntos na Quadra 1.

– O momento mais bacana do dia foi mesmo a coletiva de Bia Haddad. Feliz com a vitória sobre Maria Irigoyen (6/1 e 6/1) e tagarela como sempre, a paulista de 18 anos, considerada há alguns anos a maior esperança do país no tênis feminino, falou sobre o quanto sua vida mudou após passar por uma lesão no ombro e uma delicada cirurgia na coluna – um procedimento errado, e Bia ficaria para sempre sem andar. O relato da brasileira é tão rico em detalhes que inclui até o horário exato em que ela sentiu (3h42 da manhã) o primeiro desconforto. A transcrição da parte mais importante da coletiva está no blog.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>