Saque e Voleio

AO, dia 1: Halep tomba, brasileiros caem, Federer vence no retorno
Comentários 5

Alexandre Cossenza

Federer_AO17_R1_get_blog

Foi um primeiro dia interessante, considerando que nem sempre há tantos jogos bons nas primeiras rodadas de um torneio do Grand Slam. Pois o Australian Open de 2017 abriu com uma zebraça na Rod Laver Arena, viu três top 10 disputarem jogos de cinco sets e ainda teve a primeira vitória de Roger Federer em um torneio contando pontos para o ranking em mais de seis meses.

A rodada também teve as derrotas de Thomaz Bellucci e Thiago Monteiro, Nick Kyrgios atropelando, Muguruza administrando uma lesão, e Almagro com uma desistência lamentável e uma explicação memorável. Quer ficar por dentro? É só rolar a página e ler o resumaço desta segunda-feira.

Os favoritos

Andy Murray estreou sem perder sets, mas com uma atuação que, em alguns momentos, ficou no limite entre a preguiça e a falta de inspiração. Cometeu 27 erros não forçados, saiu atrás no segundo set e só não se complicou mais porque o adversário, Illya Marchenko, #95, não era tão perigoso assim e não jogou tão bem assim (somou 62 erros não forçados). No fim, venceu por 7/5, 7/6(2) e 6/2.

A sessão noturna começou com Angelique Kerber caminhando para o que parecia uma vitória rotineira, mas a coisa começou a desandar quando a alemã sacou para o jogo, teve match point, mas perdeu o serviço. A ucraniana Lesia Tsurenko (#51) aproveitou o embalo, quebrou de novo e forçou um nervoso terceiro set. No começo da parcial decisiva, um ponto crucial e espetacular mudou o rumo do jogo. Kerber sacou com break point contra e tomou uma ótima devolução cruzada. A alemã não só alcançou a bolinha como acertou uma improvável paralela de fora pra dentro. Depois disso, venceu todos os games e fechou em 6/2, 5/7 e 6/2.

No último jogo do dia na Laver, Roger Federer tirou a ferrugem de seis meses sem jogar um evento que desse pontos para o ranking mundial. O suíço teve lá seus problemas diante do também veterano Jurgen Melzer, 35 anos. O austríaco teve quebras de vantagem no primeiro set e conseguiu uma virada impressionante no segundo antes que Federer tomasse de vez o controle da coisa.

O placar final mostrou 7/5, 3/6, 6/2 e 6/2, e o que aconteceu em quadra não foi tão animador assim para o suíço. Afinal, não foi o tênis “limpo” e afiado que os fãs gostariam de ver e, principalmente, que será necessário para sair com o título do Australian Open. Federer ainda tem vários ajustes a fazer e, não fossem os 19 aces desta segunda, a história com Melzer teria sido muito mais longa.

A zebra

Ela apareceu logo no primeiro jogo, bem na quadra central. Simona Halep, “a primeira da fila” dos sem Slam, mostrou um tênis muito pouco inspirado desde os primeiros games. Shelby Rogers, #52 do mundo, não tinha nada a ver com isso e entrou soltando o braço e agredindo. A romena não só jogou mal. Sentiu dores no joelho esquerdo. Pediu atendimento medico antes do segundo set. Não adiantou. E Halep, sejamos justos, também tomou decisões ruins em quadra. Como o swing volley que tentou diante de um break point no primeiro set. Jogou a bola na rede e selou sua sorte na parcial. No segundo set, com a rival claramente abatida, Rogers disparou no placar e fechou em 6/3 e 6/1.

Na chave, a consequência do resultado é deixar Svetlana Kuznetsova como a tenista mais bem ranqueada no segundo quadrante. A semifinalista sairá de um grupo que já perdeu três cabeças (Siegemund e Bertens também caíram) no primeiro dia. Restaram, além de Sveta, Svitolina, Venus, Pavlyuchenkova e Puig. Uma delas vai longe, mas quem se candidata a adivinhar quem?

Três top 10 e 15 sets

A chave masculina viu Kei Nishikori em um dia nada brilhante, precisando de cinco sets para despachar Andrey Kuznetsov: 5/7, 6/1, 6/4, 6/7(6) e 6/2. A arrancada final no quinto set só começou depois de um atendimento médico. Após a interrupção, Kuznetsov perdeu o serviço e não se recuperou mais.

O segundo top 10 a suar foi Marin Cilic. Depois de perder os dois primeiros sets para o polonês Jerzy Janowicz, o croata #7 do mundo dominou as parciais seguintes e fez 4/6, 4/6, 6/2, 6/2 e 6/3. Um resultado importante não só pela sobrevivência no torneio, mas porque Cilic havia perdido três de suas últimas quatro partidas decididas em um quinto set. Nesses três reveses, o croata saiu ganhando por 2 a 0.

Por fim, Stan Wawrinka tomou um grande susto diante de Martin Klizan, que teve quebras de vantagem em todos os cinco sets. O eslovaco inclusive sacou em 4/3 e 40/15 no quinto, mas perdeu o serviço e viu o suíço iniciar uma reação furiosa – que incluiu uma curiosa bolada em um ponto ganho.

Não houve briga, e Wawrinka arrancou para fechar a partida em 4/6, 6/4, 7/5, 4/6 e 6/4. E, no fim das contas, todos grandes nomes da chave masculina venceram no primeiro dia do torneio.

Outros candidatos

Ao mesmo tempo em que Halep sofria na Rod Laver Arena, Garbiñe Muguruza sentia dores na coxa (a mesma lesionada em Brisbane) na MCA. A espanhola, contudo, já havia vencido o primeiro set quando enfiou-se num buraco, perdendo a segunda parcial por 4/1 para Marina Erakovic. A favorita, no entanto, “voltou” a tempo e avançou por 7/5 e 6/4.

Nick Kyrgios trabalhou bem (e rápido) para apagar as dúvidas sobre sua condição física. O australiano, lembremos, jogou a Copa Hopman se queixando de dores. Nesta segunda, porém, atropelou o português Gastão Elias: 6/1, 6/2 e 6/2.

Os brasileiros

Thomaz Bellucci foi amplamente dominado por Bernard Tomic. O australiano foi mais consistente, se defendeu melhor, agrediu bastante o segundo serviço do brasileiro e avançou por 6/2, 6/1 e 6/4. A atuação de Bellucci foi tão infeliz que deixou a desejar até nos desafios. Falo mais sobre o #1 do Brasil no próximo post.

Mais tarde, Thiago Monteiro reencontrou Jo-Wilfried Tsonga e soube o gostinho de enfrentar o francês de verdade – não aquela versão desinteressada que esteve no Rio Open do ano passado. Em Melbourne, Tsonga fez 6/1, 6/3, 6/7(5) e 6/2. Monteiro fez um esforço louvável para esticar o jogo, mas o duelo não foi tão equilibrado assim. O francês controlou as ações a maior parte do tempo e manteve uma sequência interessante: desde 2007, não perde na primeira fase de um Slam.

O milionário

Nicolás Almagro ficou menos de meia hora vivo no torneio. Abandonou após perder quatro games, com 25 minutos de jogo. Jeremy Chardy avançou para a segunda rodada. Indagado na coletiva se tinha entrado em quadra só pelo prêmio em dinheiro, Almagro foi direto como sempre. Disse que não e que tem mais de US$ 10 milhões. Bem explicado, não?

Depois, o espanhol postou em sua conta no Twitter a mensagem acima, dizendo que entrou em quadra sentindo dores e que não disputará os próximos torneios porque seu filho está prestes a nascer.

Os forehands mais rápidos

O Australian Open colheu dados estatísticos em suas últimas edições, e o New York Times mostrou uma pequena parte disso. A reportagem mostra os forehands e backhands mais rápidos dos últimos cinco anos de torneio.

.
A curiosidade é que Rafael Nadal tem o forehand mais rápido do circuito. Além disso, na média Madison Keys tem uma direita tão forte quanto a de Tomas Berdych e um backhand que só perde em velocidade para Na Li. Os detalhes de como os números foram colhidos estão aqui.

O envelhecimento do torneio

Na tarde deste domingo, graças a um RT do jornalista Mário Sérgio Cruz, do Tenisbrasil, cheguei ao gráfico abaixo, que mostra o “envelhecimento” do circuito. Em 1989, a idade média dos tenistas no Australian Open era de 24,02. Hoje, é de 27,93. Enquanto em 1989 só havia quatro tenistas com mais de 30 anos, a chave deste ano possui 46 tenistas acima dos 30 e dez atletas acima dos 35. É uma diferença muito grande.


AO 2017: o guia da chave feminina
Comentários Comente

Alexandre Cossenza

Kerber_AO17_BenSolomon_TA_blog

Depois de analisar a chave masculina, chega a hora de dar uma olhada no sorteio das mulheres no Australian Open e ver a quantas andam cada uma das das candidatas ao título em Melbourne. É também o momento de imaginar as possíveis zebras e pensar em quem pode pegar todo mundo de surpresa nas próximas duas semanas. E é isso que sempre tento nestes textos pré-Slam. Role a página, fique por dentro e, depois, fique à vontade para deixar seus palpites nos comentários.

As favoritas

Angelique Kerber aparece pela primeira vez como cabeça de chave 1 em um Slam, mas nem todo mundo acredita que isso faz dela a principal candidata ao título. De qualquer modo, suas atuações pré-Melbourne não foram das mais animadoras. Kerber fez três jogos, perdeu dois e penou para derrotar a #232 do mundo (ainda que Ashleigh Barty tenha tênis para um ranking mais digno).

A chave da #1 no Australian Open também não é das mais tranquilas. Ela pode enfrentar Bouchard (ou Kasatkina ou Vinci) nas oitavas, Muguruza nas quartas e Halep na semi. E aí vale dizer que o caminho de Muguruza, cabeça 7, parece muito mais atraente. Dá para imaginar a espanhola indo longe, sem drama, e chegando a esse possível confronto de quartas de final em grande forma.

Serena, por sua vez, tem uma chave ainda mais complicada. A começar pela estreia contra a inteligente e perigosa Belinda Bencic, que sofreu uma lesão na Copa Hopman, abandonou seu jogo de estreia em Sydney, mas disse estar “bastante perto de 100%” para jogar em Melbourne. Além disso, a #2 do mundo pode se ver jogando contra Lucie Safarova já na segunda rodada (as duas fizeram a final de Roland Garros em 2015, lembram?).

Ainda no caminho de Serena podem aparecer Strycova/Garcia na terceira rodada e Cibulkova/Makarova/Wozniacki/Konta nas oitavas. A semi seria contra a vencedora do quadrante que tem Agnieszka Radwanska e Karolina Pliskova (sim, a mesma que eliminou Serena no US Open). Bom, já deu para entender, né? Ainda que seja eternamente favorita, a americana tem, de longe, a trilha mais trabalhosa rumo ao título do Australian Open. Será?

O número 1 em jogo

Kerber e Serena continuam brigando pelo posto de número 1 do mundo em Melbourne. Entretanto, como as duas foram finalistas no ano passado, o posto só muda de mãos com uma excelente campanha da americana. Para ultrapassar a alemã, Serena precisa pelo menos chegar à final. Caso Kerber alcance as oitavas, a americana precisa ser campeã e torcer para que a rival perca antes da decisão. Por fim, se Kerber alcançar a final, ela garante a manutenção do #1, mesmo em caso de título de Serena.

Correndo por fora

Esse grupo não muda muito. O que varia é a forma de cada uma em determinado torneio, mas basicamente falamos sempre de Simona Halep, Agnieszka Radwanska, Garbiñe Muguruza e Karolina Pliskova.

Do quarteto, apenas Muguruza, campeã de Roland Garros, tem um título de Slam no bolso. Só que depois dessa conquista a espanhola não passou da segunda rodada nem em Wimbledon nem no US Open. Em Melbourne, há motivo para otimismo, já que a chave é interessante. Cabeça 7, Muguruza só enfrentaria Kerber nas quartas. Antes disso, tem como principais rivais, no papel, Suárez Navarro, Sevastova e Zhang. A janela está escancarada e ela diz que está recuperada do problema na coxa que sentiu em Brisbane.

Simona Halep é outro nome forte – sempre. De certa forma, a romena parece a primeira da fila na lista das que buscam seu primeiro Slam. Seu tênis vem se mostrando ainda mais consistente, e seu caminho em Melbourne é favorável. Aliás, pode ser o quadrante mais fácil de toda a chave feminina, ainda que inclua Mónica Puig (que não tem um bom resultado desde os Jogos Olímpicos) e Venus Williams (que não tem físico para se movimentar em ralis contra Halep).

Agnieszka Radwanska parece destinada a lutar eternamente em nome das tenistas sem grande potência nos golpes. A polonesa segue capaz de vencer a maioria das rivais, mas cedo ou tarde torna-se vítima de alguém que bate mais forte na bola e atravessa uma ótima semana. Foi assim com Johanna Konta em Sydney, por exemplo, e a chance de isso acontecer na segunda semana de um Slam é sempre grande. Sua sorte em Melbourne é que seu quadrante tem como principal desafiante Karolina Pliskova, contra quem Aga tem um histórico de sete vitórias em sete jogos – e nenhum set perdido.

Por fim, este Australian Open mostra-se como o primeiro grande teste de Pliskova pós-final de US Open. A campanha em Nova York foi também sua primeira campanha realmente digna de seu tênis em um Slam. Melbourne talvez mostre se a tcheca vai se tornar uma candidata permanente a títulos deste porte. Por enquanto, 2017 é animador. Pliskova foi campeã em Brisbane após derrotar Vinci, Svitolina e Cornet em sequência.

As brasileiras

O Australian Open não terá brasileiras na chave principal. Teliana Pereira e Paula Gonçalves disputaram o qualifying, mas acabaram derrotadas na segunda rodada. A pernambucana foi superada por Mona Barthel por 6/0 e 6/4, enquanto a paulista caiu diante de Aliaksandra Sasnovich por 4/6, 6/1 e 6/3.

As grandes ausências

Uma top 10 e uma campeã de Slam não estão na chave deste ano. Madison Keys, atual #8 do mundo, passou por uma artroscopia no punho esquerdo em outubro do ano passado, logo depois do WTA Finals, e ainda não está recuperada. A outra grande ausência sentida será a de Petra Kvitova, que foi vítima de um assalto em dezembro e precisou passar por uma cirurgia na mão esquerda (a de seu forehand).

Outros desfalques incluem Anna Lena Friedsam (lesão no ombro direito), Sloane Stephens (lesão no pé direito), Sabine Lisicki (lesão no ombro direito) e Catherine Bellis (lesão no quadril). E, claro, lembremos que Ana Ivanovic anunciou sua aposentadoria dias atrás e que Maria Sharapova continua suspensa por doping – ela foi flagrada no Australian Open do ano passado.

❤☀️ Cairns #beach #water #sunshine

A photo posted by Jarmila Wolfe (Gajdosova) (@tennis_jarkag) on

Para não deixar passar: quem também anunciou aposentadoria recentemente foi a australiana Jarmila Wolfe (ex-Groth e ex-Gajdosova), que tem um problema crônico nas costas. Campeã de duplas mistas em Melbourne em 2013, ela pediu um wild card para fazer sua despedida, mas o torneio negou. Assim, ela decidiu encerrar a carreira e curtir a vida (nota-se no post de Instagram colado acima) junto com seu marido e seus cachorros. Faz muito bem.

Os melhores jogos nos primeiros dias

Além do óbvio e aguardado Serena x Bencic, vai ter bastante coisa boa pra ver na primeira rodada em Melbourne. Minha listinha pessoal aqui inclui Vandeweghe x Vinci, Siegemund x Jankovic (que não é mais cabeça de chave), Giorgi x Bacsinszky (porque a italiana sempre pode aprontar), Stosur x Watson (sempre intrigante e dramático acompanhar Stosur na Austrália) e Radwanska x Pironkova.

Talvez o mais interessante mesmo seja Johanna Konta x Kirsten Flipkens, com a britânica chegando de um título em Sydney, onde atropelou Radwanska na final. A top 10 é obviamente favorita contra Flipkens, mas a belga pode exigir uma consistência que Konta pode não conseguir mostrar com o pouco tempo de treino nas quadras de Melbourne.

A tenista mas perigosa “solta” na chave

Nitidamente, o nome mais temido aqui é o de Eugenie Bouchard. Não só pelo passado de bons resultados (a canadense foi top 5 em 2014), mas porque já mostrou bom tênis neste início de ano, alcançando a semi em Sydney – perdeu para a campeã, Konta. No Australian Open, Genie é favorita contra Chirico na estreia e possivelmente fará um duelo interessante contra Kasatkina na segunda fase. Tem cara de jogo-chave. Se avançar e ganhar ritmo, Bouchard pode muito bem desafiar Angelique Kerber nas oitavas – e com chances interessantes.

Outra tenista perigosa e “esquecida” na chave é Kristina Mladenovic, que caiu na metade de baixo e estreia contra Ana Konjuh. Não é nada impossível que a francesa elimine a croata e faça o mesmo com a cabeça de chave Gavrilova na segunda rodada. Kiki ainda teria Bacsinszky pela frente na terceira rodada, antes de um eventual encontro com Kristina Pliskova, mas parece justo dizer que, na semana certa, a francesa poderia deixar todas essas oponentes para trás.

Onde ver

No Brasil, a ESPN transmite o Australian Open com exclusividade e em dois canais: ESPN e ESPN+. Fernando Meligeni e Fernando Nardini também tocam o Pelas Quadras, programa diário com convidados que aborda o que acontece no torneio e vai ao ar sempre às 21h (de Brasília).

Vale acompanhar também o Watch ESPN, que terá imagens de todas as quadras – até porque haverá conflito de grade na ESPN e na ESPN+ com partidas de NBA e NFL. Quando isso acontecer, todos precisarão correr para o Watch.

Se nada disso der certo, tente o site do Australian Open. O site do torneio transmite, de graça, todas as quadras. A qualidade do streaming oscila e às vezes fica impossível acompanhar os jogos por lá, mas não custa tentar.

Nas casas de apostas

Serena ainda aparece como a mais cotada ao título na maioria das casas de apostas. A cotação abaixo, da casa virtual bet365, mostra a americana pagando 4,0 para um (quem apostar US$ 1 ganha US$ 4 se Serena for campeã), seguida de pertinho por Kerber. Pliskova vem em terceiro, seguida por Muguruza e Halep. Konta, Radwanska, Cibulkova, Wozniacki e Svitolina completam o top 10. Vale notar a presença de Eugenie Bouchard na 11ª posição. A canadense, lembremos, nem cabeça de chave é em Melbourne, mas provavelmente está bem cotada por seu enorme potencial.


Quadra 18: S03E01
Comentários Comente

Alexandre Cossenza

Se tem Grand Slam, tem Quadra 18. O podcast de tênis mais popular do país começa sua terceira temporada analisando as chaves do Australian Open e fazendo aquele costumeiro exercício de imaginação sobre o que pode acontecer nas próximas duas semanas em Melbourne.

Do jeito descontraído de sempre, Sheila Vieira, Aliny Calejon e eu falamos de ATP, WTA, duplas e até damos dicas preciosas (é verdade!) de como passar madrugadas inteiras vendo tênis sem cair no sono. Para ouvir, basta clicar no player abaixo. Se preferia baixar para ouvir depois, clique neste link com o botão direito do mouse e selecione “salvar como”.

Os temas

0’00” – Rock Funk Beast (longzijum)
0’13” – Cossenza apresenta os temas
1’23” – Quem é “o” favorito na chave masculina? Murray ou Djokovic?
3’02” – Djokovic e a chave mais fácil do que a de Murray
7’35” – O que esperar de Federer e Nadal?
8’13” – O esperado jogo-chave entre Nadal e Zverev na terceira rodada
9’21” – A expectativa por um Djokovic x Dimitrov
11’12” – A divertida seção com Fognini, Feliciano, Haas e Paire
12’42” – Troicki pode desafiar Wawrinka?
13’32” – A expectativa por Raonic x Dustin Brown e Cilic x Janowicz
14’25” – Quem ganha Bellucci x Tomic?
14’18” – Jo-Wilfried Tsonga x Thiago Monteiro e Rogerinho x Donaldson
16’33” – Palpites para azarão do torneio
18’28” – Palpites para decepção do torneio
20’17” – Down Under (Men at Work)
21’05” – A chave de Serena é tão difícil assim?
23’34” – A chave e a preocupante forma de Angelique Kerber
25’18” – A seção favorável de Garbiñe Muguruza
25’56” – Simona Halep, agora vai?
26’42” – E o que dizer de Venus Williams?
27’30” – Karolina Pliskova e a expectativa por seu primeiro Slam como top 5
30’24” – O caminho de Radwanska
31’15” – Palpites para campeã, zebra e decepção
33’35” – Cheap Thrills (Sia)
34’30” – Novos times e velhos favoritos no circuito de duplas
37’05” – O começo não tão animador de Melo e Kubot
39’28” – A nova parceria de André Sá e Leander Paes
40’07” – Serena começar devagar os Slams faz o jogo com a Bencic mais perigoso?
41’14” – Dimitrov chegou no momento “ou vai ou racha” da carreira?
42’25” – Qual dos topos se complicou mais na chave?
42’54” – As cotações das casas de apostas para a chave masculina
44’29” – Existe uma temperatura máxima para interromper os jogos em Melbourne?
45’25” – Qual a quadra mais legal para ver jogos no Melbourne Park?
48’40” – “Dormir é para os fracos?” e dicas para ver o torneio na madrugada


AO 2017: o guia da chave masculina
Comentários Comente

Alexandre Cossenza

MCA_LukeHemerTA_blog

E lá vamos nós de novo. Mais um torneio do Grand Slam. Un evento incomum pelas posições de Roger Federer (cabeça 17) e Rafael Nadal (9) na chave, mas um torneio com todos elementos comuns de um típico Australian Open. Novak Djokovic como favorito, Andy Murray cotadíssimo, duelos fortíssimos já na primeira rodada, expectativa de calor, etc. e tal. Vocês sabem o esquema.

As chaves foram sorteadas nesta sexta-feira, o que significa que é hora de analisar não só o momento de cada tenista, mas quais desafios ele vai encontrar pela frente e se suas chances de ir longe em Melbourne aumentaram ou diminuíram depois disso. É também a hora de olhar os azarões e começar a imaginar quem pode pegar todo mundo de surpresa nas próximas duas semanas. E é isso que tento fazer nas linhas abaixo. Role a página, fique por dentro e, depois, fique à vontade para deixar seus palpites nos comentários.

Os favoritos

Pra começar, há dois candidatos mais claros neste torneio. Novak Djokovic e Andy Murray. Nesta ordem, que leva em consideração a final de Doha, vencida pelo sérvio em cima do britânico. Sim, foi apenas um ATP 250, mas não dá para desconsiderar o peso psicológico de um jogo daqueles, brigado e com quase 3h de duração. Por isso, Nole sai na frente, pelo menos no papel.

A chave de Djokovic não é a mais fácil, mas não me parece complicada pelo “ponto de vista Djokovic”, ou seja, pelo estilo de jogo e pelo histórico de confrontos diretos dos adversários. “Ah, mas Nole não estreia contra Verdasco, que quase venceu em Doha?”, pode imaginar alguém. Sim, mas vai ser necessário um alinhamento de 38 planetas e 17 asteroides para aquilo acontecer de novo. Desde já, esse Djokovic x Verdasco da primeira rodada é meu grande favorito a “jogo cheio de expectativa que acaba dando sono”.

Depois disso, Djokovic pega Istomin/qualifier, possivelmente Carreño Busta na terceira rodada, Dimitrov/Gasquet nas oitavas e o vencedor da seção com Thiem, Feliciano, Karlovic e Goffin nas quartas. A maior casca de banana aí parece o confronto de oitavas, mas Djokovic venceu os últimos dez jogos contra Gasquet (perdeu só um set!) e bateu Dimitrov seis vezes em sete encontros. A única vitória do búlgaro aconteceu em 2013, no saibro de Madri. Não me parece lá um retrospecto tão animador para o azarão, embora precisemos levar em conta o recente ressurgimento de Dimitrov, que atropelou e foi campeão em Brisbane, batendo Thiem, Raonic e Nishikori em sequência.

Lembremos também que Djokovic tem em sua metade da chave Milos Raonic, o que é melhor do ter Stan Wawrinka na semifinal. Além disso, Federer também ficou na outra metade da chave, o que não deixa de ser bom para para o sérvio.

O sorteio não foi tão amigável com Andy Murray, embora não tire seu status de favorito na metade de cima da chave. Vários elementos podem jogar contra o número 1 do mundo em momentos diferentes, a começar por possíveis duelos com Querrey na terceira rodada e Isner/Pouille nas oitavas. Embora Murray seja um excelente devolvedor, não é difícil imaginar esses jogos em rodadas diurnas, com sol forte e bolinhas voando mais rápidas ainda, o que não é nada bom para o #1.

Além disso, Murray provavelmente vai precisar passar por Federer, Berdych ou Nishikori nas quartas. Berdych não seria o maior dos problemas, mas o japonês costuma causar problemas para o escocês. Além disso, se o suíço chegar às quartas, terá passado por Berdych e Nishikori e estará em excelente forma. Ou seja, o cenário não é dos mais animadores para Murray.

As “lendas”

Federer estreia contra um qualifier, pega outro qualifier na segunda rodada e deve encarar Tomas Berdych já na terceira fase. Considerando que o suíço chega a Melbourne como cabeça de chave 17, está longe de ser o pior dos cenários, mesmo com um eventual confronto com Kei Nishikori nas oitavas. O japonês, lembremos, sentiu dores no quadril em Brisbane e não se sabe se estará 100% para o início do Australian Open. Acredito que a forma física de Nishikori será chave. Caso o asiático consiga alongar uma partida com Federer, suas chances aumentam. Caso contrário, o suíço pode bem se encontrar na segunda semana diante de Andy Murray nas quartas.

Nadal, cabeça 9, também não teve um sorteio dos piores, mas seu caminho tem uma pedra grande: Alexander Zverev na terceira rodada. O adolescente alemão, contudo, ainda não tem uma vitória grande num Slam. Esse jogo pode muito bem determinar um semifinalista, já que o vencedor sairá com status de favorito pelo menos até as quartas de final, quando Milos Raonic, o cabeça 3, pode aparecer.

Os brasileiros

Thomaz Bellucci e Thiago Monteiro vão estrear contra cabeças de chave, o que nunca é bom. O paulista vai encarar Bernard Tomic, o que não é desastroso. Afinal, entre todos cabeças que Bellucci poderia enfrentar, pegará um contra quem tem retrospecto favorável (2 a 1). É bem verdade que Tomic joga em casa, onde supostamente (favor colocar negrito mental e ler beeeeem devagar a palavra su-pos-ta-men-te!) não gostaria de dar (mais um) vexame. Mas também é inegável que tudo pode acontecer quando o australiano entra em quadra. Por outro lado, é bem possível que Tomic esteja pensando o mesmo de Bellucci: “tudo pode acontecer”.

Monteiro vai encarar Jo-Wilfried Tsonga. Sim, o mesmo Tsonga que ele derrotou no Rio Open do ano passado. Desta vez, na quadra dura, sem o insuportável calor carioca (onde todos tenistas dizem que é muito mais difícil jogar do que em Melbourne) e valendo por Grand Slam. É outro nível de importância. E Tsonga, às vezes vulnerável em torneios menores, não perde uma estreia em Slam desde 2007, quando ganhou um convite para o Australian Open e pegou Andy Roddick, então número 7 do mundo, na primeira rodada.

Rogerinho teve melhor sorte. Estreia contra Jared Donaldson, #101 do mundo. O americano vem de boa campanha em Brisbane, onde furou o quali, eliminou Gilles Muller na estreia e até venceu o primeiro set contra Nishikori na segunda rodada. O japonês acabou levando a melhor. De qualquer maneira, é melhor do que estrear logo contra um cabeça de chave. Se avançar, o paulista vai enfrentar o vencedor do jogo entre Gilles Simon e Michael Mmoh.

A grande ausência

Juan Martín Del Potro afirmou que não estaria pronto fisicamente já em janeiro e decidiu abortar o primeiro Slam da temporada. Ele também não quis (como nunca quis mesmo) jogar na temporada sul-americana de saibro e vai começar 2017 jogando em quadras duras. Resumindo? O argentino curtiu bem as férias (vide tweet abaixo) e não quis forçar seu corpo.

Os melhores jogos na primeira rodada

O que não falta é jogo bom e por um monte de motivos diferentes. Comecemos pelos cabeças de chave. Stan Wawrinka x Martin Klizan é o tipo de confronto em que o suíço precisa entrar firme. Um diazinho ruim de primeira rodada pode acabar com seu torneio, já que o eslovaco tem aqueles dias de bater forte em todas as bolas e acertar tudo. Vale ficar de olho. O mesmo perigo existe para Gael Monfils, que enfrenta Jiri Vesely, e para Marin Cilic, que duela com o “perturbado” Jerzy Janowicz. Só deus sabe o que sai da raquete do polonês.

Outro jogo intrigante é Dolgopolov x Coric, cujo vencedor encara Monfils ou Vesely, o que faz dessa seção a mais imprevisível do torneio. Falando em imprevisibilidade, já mencionei acima Bellucci x Tomic, mas cito também Youzhny x Baghdatis (dois malucos gente boa). Vale prestar atenção também em Haas (sim, Tommy Haas, AQUELE, que está de volta!) x Paire e Kyrgios (lesionado) x Elias porque não dá para descartar uma zebra do português aqui.

No quesito “fim provável, meio improvável”, recomendo acompanhar Raonic x Brown porque embora o canadense seja favoritíssimo, não dá pra perder os momentos de brilho do alemão. E, por fim, o confronto mais quente, com sangue latino, entre Fognini e Feliciano López. Até porque a coisa não acabou bem quando os dois se enfrentaram em Wimbledon no ano passado (vejam o vídeo acima).

O que mais pode acontecer de legal

De modo geral, as atenções vão mesmo continuar voltadas para o desenrolar das campanhas de Federer e Nadal e como elas vão afetar o andamento das chaves, mas algumas outras formações bem interessantes podem vir na segunda rodada ou nas seguintes, como um encontro entre Dominic Thiem e João Sousa. Outro jogo esperado mais para a frente é Gasquet x Dimitrov, que pode acontecer na terceira rodada. E também, meio escondido no meio disso tudo, imagino um interessante jogo entre Raonic e Taylor Fritz na segunda rodada.

Os tenistas mais perigosos que ninguém está olhando

A essa altura, todo mundo já está prestando atenção em quem jogou bem nas primeiras semanas. São os casos de Zverev, que bateu Federer na Copa Hopman, e de Dimitrov, campeão em Brisbane, por exemplo. Ainda assim, alguns nomes mereciam mais atenção. Acho que João Sousa é um deles. O português, #44, segue obtendo resultados acima do que normalmente se espera. Não me parece nada impossível imaginá-lo batendo Jordan Thompson e Dominic Thiem nas duas primeiras rodadas. Resta saber, porém, em que condições físicas Sousa chegará a Melbourne, já que ainda está em Auckland, onde disputa a final.

Outro tenista que eu gosto e que cedo ou tarde vai ser uma realidade em torneios maiores é Taylor Fritz, 19 anos e #91 do mundo. Tem um saque gigante, golpes potentes de fundo e uma movimentação até boa para seu 1,93m de altura. Ano passado, já conseguiu um punhado de resultados relevantes. Falta, claro, maturidade. E sua chave em Melbourne não é das piores. Ele enfrenta Gilles Muller, outro “sacador” na estreia e, se vencer, pega Milos Raonic, alguém com um jogo muito parecido com o seu. Existe uma janelinha para ele dar esse salto já neste Australian Open.

Onde ver

A ESPN transmite o Australian Open com exclusividade e em dois canais: ESPN e ESPN+. Fernando Meligeni e Fernando Nardini também tocam o Pelas Quadras, programa diário com convidados que aborda o que acontece no torneio e vai ao ar sempre às 21h (de Brasília).

Nas casas de apostas

Na casa virtual bet365, a lista de mais cotados tem, nesta ordem, Djokovic, Murray, Wawrinka, Nadal, Raonic, Federer, Nishikori, Kyrgios, Dimitrov e Cilic no top 10. Vale notar a distância entre as cotações de Murray (paga US$ 2,62 para cada dólar apostado), segundo favorito, e Wawrinka (13), o terceiro.

O guia feminino

Não vai dar tempo de publicar o guia para a chave feminina ainda hoje. Ele deve pintar aqui no blog amanhã (sábado). Até lá!


Tudo que você precisa saber sobre o Rio Open
Comentários 2

Alexandre Cossenza

RioOpen_lineup_div_blog

A organização do Rio Open promoveu, nesta quarta-feira, um encontro de jornalistas com o diretor do torneio, Lui Carvalho, para um bate-papo durante um café da manhã em um hotel na zona sul da cidade. Como já aconteceu no ano passado, a conversa é bastante interessante, com o diretor dando uma espécie de tour pelos bastidores das negociações com jogadores e falando sobre o que a organização espera para o futuro do ATP 500 carioca.

Entre os destaques do dia, Lui falou: das conversas com Del Potro, Murray, Djokovic, Nadal, Wawrinka, Berdych, Dimitrov, Monfils, Dustin Brown e outros; dos planos para transformar o Rio Open em um torneio de quadra dura; do desejo de fazer o evento no Parque Olímpico; da exclusão e da falta de interesse pelo torneio feminino; das vendas de ingressos; e de uma grande expectativa em relação a Thomaz Bellucci e Thiago Monteiro. A declaração sobre Bellucci, em especial, é interessantíssima!

Selecionei os trechos que achei mais importantes e listei abaixo, com comentários meus e, em itálico, frases de Lui Carvalho. A lista com os tenistas inscritos está no fim do post.

Negociações com tenistas

Juan Martín Del Potro

“Um dos atletas que a gente esteve muito perto de conseguir foi o Del Potro. Ele fez a virada da carreira dele nos Jogos Olímpicos, no Rio, e a gente tinha toda a história montada para ele. Voltando de lesão, jogando no Rio, público apoiando, o único atleta argentino que não é vaiado no Brasil e ele tem essa conexão com o Brasil, mas infelizmente o fator piso pesou. Ele não quis jogar no saibro nessa época do ano, mesmo por valor nenhum. A gente estava pensando em fazer uma proposta conjunta Buenos Aires-Rio, mas infelizmente ele optou por jogar, se não me engano, Delray Beach e Acapulco. Não foi uma questão nem de dinheiro nem de vontade. Foi uma questão de preferência de piso.”

Gael Monfils

“É um namoro antigo nosso, até pela relação que a gente tinha com a nossa última fornecedora de material esportivo [Asics]. Monfils foi o primeiro atleta com quem a gente chegou a conversar, logo depois do Rio Open 2016. Já estava rolando bastante conversa, bastante troca de email para ver se a gente conseguia chegar num acordo, mas ele optou por um calendário diferente. Não tanto pelo piso, mas mais pelo calendário de não ter que voltar da Austrália para a América do Sul e ir direto para os Estados Unidos. Ele preferiu ficar em casa e jogar, se não me engano, Roterdã e Dubai.”

Janko Tipsarevic

“A gente estava esperando fechar a lista. É um ex-top 10, a gente acha um nome muito interessante para o torneio. É um cara divertidíssimo, ele é muito doido. E é um cara inteligentíssimo. Ele realmente pediu [um wild card], e a gente vai começar a ver os wild cards agora.”

Good first week…💪😈💪 @tipsarevictennisacademy #bangkok #keepgrinding #keeppushing #keepdigging

A photo posted by Janko Tipsarevic (@tipsarevicjanko) on

Grigor Dimitrov e Tomas Berdych

“A gente ficou meio nesse jogo de xadrez entre Nishikori e Thiem e Berdych e Dimitrov. Então a gente ficou meio jogando esse joguinho. Quem desses quatro a gente consegue trazer? É um tremendo jogo de xadrez.”

A forte concorrência de Dubai, Roterdã e Acapulco

''A gente disputa os atletas com Dubai, Roterdã e Acapulco, os ATPs 500 dessa época. Se o atleta joga Dubai, ele não joga Rio. Se ele joga Acapulco, é mais possível que ele jogue Rio. A gente fica muito na região. Nós e Acapulco coordenando aqui, Dubai e Roterdã de lá. Dubai está completando 25 anos, então o sheik está vindo com um A380 de dinheiro da Emirates. Acapulco, de um ano para o outro, decidiu investir um caminhão de dinheiro. A gente não sabe da onde está vindo tanto dinheiro também. E Roterdã está tentando consertar o que aconteceu em 2016. Não teve nenhum top 10. (…) Não pegou muito bem com público, patrocinador, ficou uma situação um pouco delicada.”

Outros nomes

“A gente falou com Zverev, Coric, Wawrinka, Murray, Djokovic… A gente chegou a conversar com todos top 10.”

Mudança de piso

“O que a gente está tentando mostrar [para a ATP] é que a competição agora é desleal. Nadal, que é um jogador de saibro, escolher Roterdã e fazer um calendário Roterdã-Acapulco… Os jogadores já não têm argumento para manter o [Rio Open] no saibro porque o carro-chefe deles já está botando a bandeirinha branca e dizendo ‘quero jogar na dura’. É uma politicagem de torneios tentando entrar num acordo do que faria sentido no calendário. (…) Hoje em dia, os jogadores querem mudar pouquíssimo de piso. O que a gente gostaria é de uma oportunidade para testar o Rio Open na [quadra] dura. E é isso que a gente está pedindo para a ATP.”

Calendário pós-2018

Até 2018, a ATP é obrigada a manter a estrutura atual de torneios, com Masters 1000, ATPs 5000 e ATPs 250. Juridicamente, a entidade pode mudar tudo a partir de 2019. Embora alterações radicais não sejam prováveis, é bem possível que o calendário sofra alterações e um aumento no número de datas. A intenção da ATP é decidir tudo isso até o fim deste ano.

“Existem milhares de discussões acontecendo. Por exemplo, a ATP e os diretores de torneio fizeram um trabalho conjunto para diminuir o calendário. O que aconteceu? Entrou a IPTL. Foi inteligente da nossa parte? Não. Foi a maior burrice que a gente fez. A gente deveria ter deixado o calendário com 52 semanas, assim não entra ninguém. Os jogadores fizeram um movimento ‘não quero jogar, quero ter offseason’. A gente ‘tá bom, então vamos diminuir o calendário’. Prejudicou um monte de torneio. E o que os jogadores fazem? Começam a jogar exibição na offseason. Sacanagem, né? Quem faz os jogadores são os torneios! Só existe o Federer, o Nadal porque existe um circuito que faz eles virarem estrelas. Aí eles viram estrelas e viram as coisas pra gente e vão jogar um circuito que não tem nada a ver com a gente? Realmente, é uma discussão que a gente tem em todas as reuniões.”

Desejo de jogar no Parque Olímpico

“A gente tem o desejo de jogar no Parque Olímpico um dia, mas isso não é uma decisão nossa. Depende de uma série de fatores. Depende de quem vai administrar o local, de como vai ser essa negociação, em que condições que a gente vai pra lá… A gente quer deixar isso bem explicado. Nosso evento é no saibro. A gente não conseguiu aprovação pra mudar de piso. A gente tentou e não conseguiu. Não teria tempo hábil pra mudar de dura pra saibro. Para 2018, a gente está tentando ver como pode fazer isso ser possível.”

Interesse no torneio feminino e valores dos ingressos

Com relação a esse assunto, argumentei com Lui Carvalho que não seria justo dizer que o torneio está cobrando o mesmo pelos ingressos de segunda a quinta, já que ano passado o Rio Open tinha um torneio feminino e, logo, o dobro do número de partida. Este ano, o preço é o mesmo, mas só para jogos masculinos. Ele respondeu argumentando que o interesse era mínimo para a chave feminina.

“Você tem a metade de partidas para ver, mas a gente foca no conteúdo, né? Não vou conseguir concordar com você. Se você fizer uma enquete com as pessoas, quantas compraram pra assistir a um jogo do feminino? Quando a gente toma a decisão de tirar o feminino, foi a primeira coisa que a gente falou: ‘a gente vai perder conteúdo?’ A gente fez uma enquete com várias pessoas. O nível do evento já começa muito diferente. Vamos imaginar que fosse um WTA International que tivesse uma Radwanska de cabeça 1 – eu sei que você adora a Radwanska. O nível já começa diferente. Com a data contra Doha e Dubai, o gap ficava ainda maior. A gente teve muita sorte de as brasileiras fazerem boas campanhas nos três anos. (…) Quantas pessoas compraram ingresso para ver a Schiavone? Não sei, mas você concorda comigo que as pessoas compraram ingresso para ver o Nadal, o Tsonga, o Isner? Até acho que quando a gente anunciou a Bouchard, a Madison, não mexe no ponteiro. Não mexe mesmo.”

Venda de ingressos

Até esta quarta, o Rio Open tinha vendido cerca de 60% dos ingressos e ainda havia bilhetes para todas sessões. Segundo Lui Carvalho, a final no domingo de Carnaval não atrapalha a venda. O torneio, aliás, vende pacotes de tênis+carnaval por meio da Faberg, agência parceira. Os ingressos estão à venda aqui.

Expectativa por uma boa campanha de Bellucci e Monteiro

Aqui, é interessante lembrar que Lui Carvalho não fala só como diretor do Rio Open, mas como manager da carreira de Thomaz Bellucci. A relação deles é de longa data e vem desde quando a carreira do tenista era gerida pela Koch Tavares. Lui, então funcionário da Koch, já era o responsável por administrar tudo relacionado a Bellucci.

“Acho que está na hora de o Bellucci e o Thiago fazerem alguma coisa especial no Rio Open. Tá na hora! Eles precisam, sabe? Bellucci precisa meter uma semi num ATP 500 no Brasil. Eles precisam disso. Isso vai ajudar o nosso esporte. Esses caras precisam botar o coração na quadra e dizer ‘eu vou fazer o que o Guga fez’. O Guga levou o tênis nas costas durante seis, sete, oito anos. Eles precisam fazer isso. A gente precisa disso. Estou apostando nisso.”

“Minha conversa com o Thomaz no fim de 2016 foi essa. ‘Você tem 30 anos de idade, entendeu? Ou você vai ou você vai. Não quero que você chegue no final da carreira Rubinho Barrichello. É a única coisa que não quero. Quero que você chegue Felipe Massa. Comoveu a galera. O Thomaz está numa fase que casou, está mais responsável, está numa fase boa pessoal. Ele precisa botar isso dentro de quadra.”

“Acho que os jogadores não entendem a responsabilidade deles dentro do esporte. Acho que eles olham muito a conta bancária deles e ‘ah, tá pingando’ e não entendem que o que eles fazem dentro de quadra move milhões de pessoas. Eles precisam ter mais essa consciência. É muito mais do que a vida deles, do que o patch da manga.”

Lista de participantes


Primeiras impressões de 2017
Comentários 1

Alexandre Cossenza

Djokovic_Doha17_get_blog

Uma semana de jogos. É só isso que o mundo tem para analisar até agora e imaginar o que pode acontecer no Australian Open. É uma amostra pequena, é bem verdade, e muita gente se preocupa mais em calibrar os golpes do que no resultado imediato. Por isso, nem sempre é fácil “ler” o que aconteceu nestes primeiros torneios de 2017. Mesmo assim, já dá para começar a notar algumas tendências. Se elas vão ou não se confirmar em Melbourne e no resto do ano, é impossível saber. Mas elas estão aí, e este post é justamente sobre essas primeiras impressões da nova temporada. Comecemos pelo topo do circuito masculino, onde há dois favoritos óbvios e um interessante equilíbrio abaixo.

Andy Murray e Novak Djokovic

Britânico e sérvio, números 1 e 2 do mundo, respectivamente, são indiscutíveis como favoritos ao título do Australian Open. Ambos jogaram para o gasto em Doha e chegaram na final. E que final! Um jogo surpreendentemente bom para um primeira semana de temporada e que valia só 100 pontos (ou 200, se você é adepto da expressão futebolística “jogo de seis pontos”).

O que estava mesmo em jogo na final de Doha era moral, por isso Djokovic sai na frente. Para ele, o triunfo era mais importante. Murray já vinha de vitória sobre o sérvio no ATP Finals. Um resultado igual em Doha poderia mexer com o equilíbrio desse matchup. Com o título nas mãos de Djokovic, o cenário parece voltar a ser o mesmo de quase sempre: o sérvio será favorito caso os dois se encontrem na final em Melbourne.

O segundo pelotão

Kei Nishikori, finalista em Brisbane, talvez tenha mostrado o tênis mais sólido do começo ao fim da semana. Não deixa de ser um ótimo sinal para o japonês, mas vale ligar o alerta para a questão física. O tênis de Nishikori costuma cobrar contas altas, e a primeira de 2017 já apareceu. O japonês saiu da final de Brisbane se queixando de dores no quadril e dizendo que “vou tentar ficar saudável na próxima semana e espero estar pronto para o Australian Open.”

Stan Wawrinka fica um pouquinho atrás, mas só um pouquinho mesmo. Afinal, foi superado por Nishikori na semi em Brisbane, mas mostrou um tênis interessante o suficiente para início de temporada. É importante notar também que Stan se mostrou pouco incomodado com a eliminação e um tanto satisfeito com o nível de tênis que apresentou. Afinal, nestas primeiras duas semanas, o resultado final nem sempre é o mais importante. Assim, com o devido tempo antes do Australian Open para fazer a sintonia fina e os últimos ajustes, é justo dizer que o #1 da Suíça pode chegar forte mais uma vez a Melbourne.

Milos Raonic já tem na temporada uma respeitável vitória sobre Rafael Nadal, o que não é pouco – embora o revés diante de Grigor Dimitrov um dia depois tenha “esfriado” o canadense. Ainda assim, Raonic, assim como Nishikori e Wawrinka, pode “esquentar” e sair atropelando em Melbourne. Vale, porém, considerar sua fragilidade física, o que pode se acentuar no verão australiano, especialmente se for necessário disputar partidas longas.

E as lendas, onde ficam?

Aqui reside o maior ponto de interrogação do Australian Open. Nem tanto pelos momentos de Roger Federer e Rafael Nadal, mas por seus rankings. Nenhum dos dois estará entre os oito principais cabeças de chave em Melbourne, e isso certamente vai bagunçar as expectativas e as cotações das casas de apostas.

Tudo aponta para que Federer seja o cabeça 17 na Austrália, o que significa a possibilidade de um confronto de terceira rodada já contra um cabeça de chave 9 a 12. E como Nadal deve ser o cabeça 9, isso significa que, sim, é possível um “Fedal” já na terceira rodada. Mas o suíço também pode encarar Berdych, Goffin ou Tsonga nessa fase. Resumindo: as consequências serão grandes.

E isso, claro, se ninguém desistir até o início do torneio. Porque se isso acontecer, Nadal sobre para cabeça 8, e Federer, para 16. Nesse caso, aumentam muito as chances de o suíço encarar Murray ou Djokovic nas oitavas. Já pensaram?

Quanto à forma tenística, Federer fez um belo retorno. Jogou a Copa Hopman, se movimentou bem e conseguiu duas vitórias esperadas (Daniel Evans e Richard Gasquet). Mostrou um tênis que deve lhe render vitórias tranquilas nos primeiros jogos em Melbourne. É bem verdade que o suíço foi superado em três tie-breaks por Alexander Zverev e que foi o alemão que venceu a maioria dos ralis. Cabe, no entanto, a velha ressalva de pré-temporada.

Fosse um torneio oficial, Federer teria somado tantos erros não forçados (e foram muitos mesmo!) ou teria arriscado menos? O que ele queria mais: vencer aquela partida ou calibrar seu tênis? Fico com a segunda hipótese, pelo menos por enquanto. Não vejo motivo para desespero. Ainda assim, pairam as mesmas perguntas que todos faziam em 2014 e 2015. O Federer de hoje, com 35 anos, consegue passar por Murray e/ou Djokovic em cinco sets?

No que diz respeito a Nadal, o espanhol vem jogando o tênis agressivo que acredita precisar jogar. Quando dá certo, o ex-número 1 tem grandes atuações. Quando não, perde jogos que não deixaria escapar em outros tempos. Jogando desse jeito, a margem para dias ruins diminui. Não consigo ver o Nadal de hoje ganhando tantos jogos sem jogar seu melhor, como fez por tanto tempo. E lembremos: jogando assim, Nadal não encaixa duas semanas inteiras de ótimo tênis desde o US Open de 2013. A cada dia que passa, fica mais difícil (mas não impossível) imaginar que isso vá se repetir.

Quem corre por fora?

Por enquanto, é difícil dizer o que esperar de Dominic Thiem. No início da semana, o revés diante de Dimitrov parecia decepcionante, um começo de ano abaixo da expectativa. Agora, depois de ver o búlgaro com o título, nem tanto.

Alexander Zverev também chega cheio de moral após a Hopman – especialmente com a vitória sobre Federer. No entanto, o adolescente que muitos acreditam estar no rumo para ser número 1 do mundo ainda precisa de uma grande campanha em um Slam. Talvez de uma grande vitória (em um torneio oficial) para servir de trampolim para voos mais altos. Até que isso aconteça, Sasha entra em qualquer torneio brigando pelo posto de “meu azarão favorito”.

O que dizer de Nick Kyrgios, que chegou à Copa Hopman com uma lesão sofrida numa pelada de basquete? A falta de compromisso do garotão não chega a ser uma surpresa (ele vive dizendo que não gosta de tênis), mas me parece um abuso para quem andou falando que poderia conquistar o Australian Open já este ano. Jogo para isso ele, de fato, tem. Ainda precisa mostrar que tem cabeça, foco e todos aqueles atributos que são mais do que bater bem na bolinha.

Quem surpreendeu?

O grande nome da primeira semana na ATP é, inquestionavelmente, Grigor Dimitroc. O búlgaro começou 2017 com três vitórias sobre top 10: Thiem, Raonic e Nishikori. Foi quem mais impressionou – pelo menos em termos de resultados – até agora, e o título de Brisbane lhe dá a confiança necessária para chegar a Melbourne realmente acreditando na possibilidade de uma grande campanha.

As grandes questões para Dimitrov, agora, são: ele teria feito o mesmo em um torneio mais importante, onde o resultado imediato fosse prioridade para todos tenistas?; e ele conseguirá repetir esses resultados em jogos de cinco sets, lembrando que ele não alcança as quartas de um Slam desde 2014? Talvez seja injusto levantar tais questões na primeira semana do ano, mas é nisso que a gente vai prestar atenção em Melbourne, não é verdade?

Nas casas de apostas

Fiquem de olho nas cotações pós Hopman/Doha/Sydney. Vai ser interessante ver o quanto elas vão mudar após o sorteio da chave em Melbourne.

Os brasileiros

Para o Brasil, até que os primeiros torneios do ano renderam resultados animadores. Thiago Monteiro perdeu na primeira rodada em Chennai, mas venceu dois jogos (Fabbiano e Giraldo) e entrou na chave principal em Sydney. O cearense também anunciou seu novo fornecedor de material esportivo: a espanhola Joma, que entra no lugar da Lacoste. Monteiro, lembremos, deixou de ser agenciado por Gustavo Kuerten (garoto-propaganda da Lacoste) para ser atleta da LinkinFirm, de Márcio Torres, que também agencia Bruno Soares, André Sá e Teliana Pereira.

Rogerinho, por sua vez, venceu uma partida (Lajovic) em Chennai, mas caiu nas oitavas de final, superado por Roberto Bautista Agut, que acabou como campeão do torneio. Em Sydney, porém, o paulista foi eliminado na primeira rodada do qualifying por Nikoloz Basilashvili.

Thomaz Bellucci, o #1 do Brasil, entrou na última hora na chave em Sydney, mas não passou da estreia. Diante de Nicolas Mahut, fez um primeiro set nada animador e só esboçou uma reação no finzinho do segundo set. Até teve chances de estender a partida, mas terminou derrotado por 6/2 e 7/6(2).

Bellucci_Sydney17_get_blog

Vale notar também que Bellucci não é mais atleta da adidas. O paulista jogou em Sydney vestindo Wilson, marca que já era sua fornecedora de raquetes. O texto de sua assessoria de imprensa cita como marcas parceiras de Bellucci a Claro, a Embratel (que são a mesma empresa) e a Wilson.


Obrigado, Ana, pelo sorriso
Comentários 4

Alexandre Cossenza

Ivanovic_ATPFinals16_get2_blog

Ana Ivanovic teve uma belíssima carreira. Jogou três finais e ganhou uma em torneios do Grand Slam, ficou 12 semanas como número 1 do mundo (uma a mais que Venus Williams), conquistou 15 títulos em torneios WTA e terminou três temporadas no top 5 do tênis feminino.

Os números já são invejáveis o bastante, mas talvez a maior contribuição de Ivanovic para o mundo do tênis tenha sido seu sorriso. Não digo literalmente. Não tem a ver com beleza. Ivanovic conseguia sorrir nas vitórias e nas derrotas. Sorria quando encontrava uma companheira/adversária de circuito. Sorria nas entrevistas, até nos momentos mais complicados. Sorriu até nesta quarta, segurando as lágrimas, quando anunciou sua aposentadoria.

A sérvia de 29 anos, atual #63 do mundo, era uma pessoa querida no vestiário. Provou que é possível vencer, ter uma grande carreira e, ainda assim, trocar piadas, se divertir com as rivais e fazer amizades. Mostrou que no tênis não há nada tão ruim que não possa ser superado. Um sorriso, no fim das contas, faz uma diferença gigante. E quem acompanhou a carreira de Ivanovic aprendeu isso.

Olhando agora, oito anos depois daquele título de Roland Garros que levou a sérvia ao topo do ranking, é fácil dizer que a carreira de Ivanovic, tenisticamente falando, deixou a desejar. Esperava-se mais. Talvez injustamente, mas a maioria do que se comentou sobre Ivanovic sempre teve um tom de “ela poderia mais”. Poderia mesmo? Difícil dizer, mas também sempre tive essa impressão.

Lesões atrapalharam – e não foi pouco. Já em 2008, no auge da carreira, precisou ficar fora dos Jogos Olímpicos. Outras dores aqui e ali vieram ao longo dos últimos sete anos. Houve também um carrossel de técnicos de dar inveja a qualquer diretoria do futebol brasileiro. De fora e de longe, é difícil dizer o quanto essas mudanças todas atrapalharam. Parece certo, contudo, que não ajudaram.

Há quem diga que Ivanovic deveria ter se concentrado mais no tênis, o que costuma significar “ela ganharia mais se fizesse menos ensaios fotográficos”. Taí outra crítica que nem sempre é justa. Sharapova e Serena têm dúzias de compromissos publicitários. Não significa que elas cheguem menos preparadas nos grandes torneios. O mesmo deveria valer para Ivanovic.

No fim das contas, foi dentro de quadra que a sérvia não encontrou o balanço ideal para vencer com mais consistência. Dona de uma direita fortíssima, mas de uma movimentação nada espetacular (compreensível para quem tem 1,84m de altura), Ivanovic nunca desenvolveu um backhand dominante ou atingiu a regularidade que precisava no seu serviço. Por isso, venceu menos do que poderia. Ainda assim, terminou 11 temporadas seguidas no top 25 (nove delas no top 20). Um feito para poucos, convenhamos.

Foi a hora certa de parar? Não existe fórmula nem regra para essas coisas. A carreira acaba quando a pessoa acredita que não tem o que acrescentar ao seu histórico. No caso de Ivanovic, ela mesma afirmou que não conseguiria jogar no nível que gostaria. Quando bate essa sensação, quem vai dizer que a pessoa está precipitada?

O que é certo – certo mesmo – é que o mundo vai sentir falta das direitas indefensáveis, dos gritos de “ajde” com punho cerrado que vinham com aquela meia pirueta, das coletivas em que ela desandava a falar sem parar, das partidas malucas cheias de altos e baixos e, claro, do sorriso. Porque, no fim das contas, tênis é só um jogo. Simpatia é mais do que um aceno e um sorriso pra galera depois de uma vitória. Otimismo é mais do que um ''agora é olhar pra frente e pensar na próxima partida'' numa coletiva. E respeito é mais do que um aperto de mãos junto à rede.

Obrigado, Ana, por tudo, mas especialmente pelo sorriso.

Coisas que eu acho que acho:

– Em 2008, pouco antes do título em Roland Garros, Ivanovic deu uma entrevista para o Globoesporte.com, onde eu trabalhava na época. Foi uma daquelas entrevistas impessoais, por email, mas com respostas interessantes. Desde aquele dia, recebo cartões de Boas Festas autografados por ela. Um deles chegou em fevereiro uma vez (valeu, Correios – #IssoÉEntrega). Um gesto pequeno, certamente administrado pela agência que gerencia sua carreira, mas que tem tudo a ver com Ivanovic e seu respeito por fãs e jornalistas.


Que Federer tenha razão sobre 2017
Comentários 3

Alexandre Cossenza

Federer_W16_get_blog

“Acho que o começo do ano, especialmente o verão australiano, vai ser épico.” A frase é de Roger Federer, em entrevista ao New York Times. O suíço fazia uma análise do que pode acontecer em seu retorno ao circuito mundial e afirmou que, tendo em vista o momento dos quatro integrantes do Big Four, o mundo pode ver histórias sensacionais no começo de 2017. Não era nem um exercício de futurologia. Federer falou com propriedade, e parece justo dizer que mundo inteiro espera que o ex-número 1 do mundo esteja certíssimo.

Dando um desconto pelo manjado uso do adjetivo “épico” (quem me segue no Twitter sabe que acho extremamente irritante e pobre a banalização de termos como “épico” e “histórico”), Federer foi preciso na análise. São quatro grandes histórias em curso. E não digo “histórias” no sentido de carreiras (embora todos tenham feitos, ahem, “históricos”), mas no aspecto jornalístico da coisa. São relatos incríveis que, contextualizados, ganham ainda mais importância. Vejamos:

Andy Murray

É o número 1 do mundo após um segundo semestre espetacular em 2016. É a primeira vez que o escocês abre uma temporada como o homem a ser perseguido. Há certa pressão nisso, mas também conta a seu favor o número menor de pontos a defender até abril em comparação com Djokovic. Resta saber se Murray encontrou/encontrará um nível de conforto em seu tênis para continuar jogando com essa intensidade e vencendo com essa frequência.

Além disso, tem toda a questão psicológica da coisa. Tem gente que se sente à vontade e mais poderoso ainda como número 1 (vide Federer), mas nem todos lidam tão bem assim com todos alvos do planeta apontados para sua cabeça. Como Murray vai se comportar no topo do ranking? Ser número 1 coloca ou tira peso em suas costas? Tudo é questão de perspectiva, e o mundo só vai saber isso com 100% de certeza quando a temporada de 2017 começar.

Novak Djokovic

O homem que dominou o circuito em 2014 e 2015, colocando-se como favorito de uma maneira inédita (mais cotado a vencer qualquer tenista em qualquer piso) no tênis moderno, perdeu gás após completar o Career Slam em Roland Garros. terminou o ano como número 2, contratando uma espécie de guru (embora ele não goste do termo guru) e encerrando a parceria com Boris Becker, que saiu dizendo que faltou dedicação no segundo semestre. Os motivos para a queda de Nole já foram bem discutidos e debatidos neste blog. Os sinais de esgotamento estavam lá para todo mundo ver.

Mas o que vem por aí agora? Becker fará falta? Com Vajda ainda no time, não me parece que o alemão será um desfalque tão grande assim. De qualquer modo, será que o Djokovic faminto e sufocante voltará a dar as caras em 2017? Ou será que vem um ano mais ou menos por aí? É bem verdade que Nole tem tênis de sobra para continuar brigando por títulos mesmo aquém de seu melhor, mas talvez aquele ingrediente que faltou nos últimos meses de 2016 seja necessário para brigar pelo número 1. Ou não? O ATP de Doha, que começa no dia 2 de janeiro, nos dará os primeiros indícios.

Rafael Nadal

A temporada de 2016 deveria ter sido o ano que mostraria onde está de fato o tênis de Rafael Nadal, mas nem isso deu para ver com tanta clareza assim. Uma lesão no punho tirou o espanhol de Roland Garros, que acabou não jogando Wimbledon e até fez uma bela Olimpíada, mas encerrou a temporada mais cedo. Houve (esperados) títulos no saibro, vide Monte Carlo e Barcelona, mas também houve (inesperadas) derrotas doídas, como em Melbourne e Nova York.

Nadal foi melhor quando jogou seu básico – não tão agressivo quanto em 2015 – mas deu a impressão de que seu tênis, hoje, está em uma posição desagradável. Aos 30 anos, Nadal não tem o físico para jogar as partidas e os pontos longos que destruíam mentalmente seus adversários (inclusive fugiu do calor e da umidade de Buenos Aires e do Rio de Janeiro em 2017), mas também não mostrou uma consistência nem técnica nem mental na agressividade que precisa para vencer jogos mais curtos.

Com a contratação de Carlos Moyá para seu time, Nadal mostra que não está satisfeito e busca um olhar diferente para seu jogo. Não ouso especular sobre o que Moyá vai conseguir fazer pelo compatriota, mas é bem possível que 2017 seja o ano do vai-ou-racha para Nadal. Afinal, não me parece que ele ficará satisfeito se repetir os resultados de 2016. Se isso acontecer, será preciso decidir se vale a pena continuar competindo assim.

Roger Federer

A história mais intrigante de 2017. Pela primeira vez na vida, o suíço fará um “retorno” após longa parada. A cirurgia no joelho, no começo do ano passado, já foi uma novidade estranha para Federer. Ele adiou a volta duas vezes (Indian Wells e Miami), disputou torneios no saibro e evitou Roland Garros. Insistiu, jogou três torneios na grama, mas viu que não dava para continuar.

Após seis meses de pausa, é de se esperar que o veterano de 35 anos esteja em plena forma. Afinal, se alguém pode estar em plena forma aos 35, Federer é o nome. Só que o resultado desses seis meses longe do circuito ainda é uma incógnita. É bem provável que ele apareça na Austrália de cabeça fresca e mais motivado do que nunca, o que será extremamente saudável para seu tênis, mas daí a capitalizar isso em resultados é outra história. Que ninguém ouse duvidar do suíço, mas com tanta gente boa surgindo no circuito e com o esporte cada vez mais veloz, a luta pelo 18º Slam só fica mais complicada.

Coisas que eu acho que acho:

– O Big Four caminha para um Australian Open diferente e intrigante. Do jeito que o ranking se mostra, é bem possível que Nadal e Federer estejam fora do grupo dos 8 cabeças de chave. Ou seja, podem enfrentar Murray e/ou Djokovic logo nas oitavas de final, o que encurtaria alguma(s) das quatro histórias acima.

– Além das quatro histórias citadas por Federer, o que não vai faltar é roteiro interessante no início de 2017. Teremos Nick Kyrgios voltando de suspensão (e já falou que pode ganhar este Australian Open); Dominic Thiem ainda tentando se firmar como tenista-de-torneio-grande; Milos Raonic, o #3, indo atrás do sonhado Slam; Wawrinka sendo Wawrinka (leia-se “podendo ganhar de qualquer um a qualquer hora); e até David Ferrer tentando voltar a um lugar mais digno.

– Faltará, obviamente, Juan Martín del Potro, o grande fator de desequilíbrio de 2016. O argentino, campeão da Copa Davis, já anunciou que não vai jogar o Australian Open por questões físicas. Segundo a imprensa argentina, Delpo quer fazer uma boa pré-temporada antes de voltar com força ao circuito.


Bia Haddad: sobre meditação, expectativas, contas a pagar e amor no tênis
Comentários 4

Alexandre Cossenza

Bia_Ruschel_blog

“Se eu estivesse ganhando jogo, você saberia.” Foi assim, direto, mas sem mágoa, que Bia Haddad reagiu quando lhe disse não saber que ela morava no Rio de Janeiro há um ano. E a paulista foi assim a conversa inteira, que durou 30 minutos marcados no relógio. Direta, sem fugir de respostas e dando opiniões.

O papo era sobre 201/6/17, mas falamos de muito mais do que tênis. O esporte serviu de ponte para abordarmos educação, ioga, finanças e um bocado de outros temas. Bia falou sobre como quer jogar em 2017 – agressiva, mas se movimentando melhor em quadra -, mas também comentou o quão duro é chegar de uma viagem vitoriosa com dois patrocinadores a menos (Correios e Asics).

A paulista de 20 anos, atual #172 do mundo e #2 do Brasil, também falou do trabalho de meditação que faz no dia a dia, do que acha sobre quem larga o colégio cedo para jogar tênis, de aprender a controlar expectativas e do momento do tênis feminino. E falou bastante, sem titubear.

Bia só ficou sem jeito quando comentou – a meu pedido – o namoro com Thiago Monteiro. Procurou palavras, mudou frases, ficou com o resto vermelho. Mas quando começou a falar – e Bia gosta de falar! – mostrou todo orgulho que sente pelo namorado e sua ética de treinos.

Sim, a entrevista é grande (se você é leitor do Saque e Voleio, sabe como as coisas funcionam por aqui), mas é um papo delicioso que vai te fazer conhecer e entender melhor a menina que há muitos anos é vista como maior esperança do tênis feminino no Brasil. Role a página e curta.

Bia_div7_blog

Em 2015, você terminou a temporada como 198 do mundo. Hoje, você é 172. Você usa ranking como parâmetro para dizer se um ano foi positivo, mesmo considerando que ficou seis meses sem jogar no ano passado?

Em 2015, eu terminei sem jogar sete meses, então não dá pra comparar um ano com o outro. O principal foi que neste ano eu tive mudanças. Em 2015, eu ainda morava em Balneário Camboriú. Este ano, vim treinar na Tennis Route, que é um centro de treinamento super diferenciado no Brasil. Estou aprendendo coisas novas aqui, então essas 20 posições aí que eu ganhei não têm nada a ver com ser melhor ou pior. Este ano foi um ano de mudanças, de consolidação de algumas coisas. Técnica, física, mental, alimentação… Mudei várias coisas. Não estava preocupada com resultado em nenhum momento. Tirando essa última gira, não foi um ano de muitas vitórias, mas foi um ano que consegui colher um pouco do que eu trabalhei durante o ano todo agora, no final dessa gira.

Você vem viajando com quem?

Essa última gira eu fiz com o Paulo [Santos], fisioterapeuta, e vou para a Austrália e Shenzhen com ele, mas aqui na Tennis Route eles têm toda a equipe. O João [Zwetsch] e o Duda [Matos] são os coordenadores e tenho alguns treinadores para o dia a dia, mas para viajar, por enquanto estou viajando com o Paulo.

Mas no balanço, você considera um ano positivo, então?

Muito positivo! Independente de resultado, de eu não ter alcançado meu melhor ranking, foi um ano em que eu evoluí muito. Eu me solidifiquei pra entrar em 2017. Isso foi o principal.

Qual foi o melhor momento do ano? O fim mesmo?

Acho que agora (risos de ambos). Essa gira… Essa gira foi essencial pra mim porque o Paulo pôde estar do meu lado, e a gente fez um trabalho mental show que fez muita diferença. Eu também voltei a jogar feliz, mais tranquila. Me apeguei bem às minhas rotinas tanto dentro quanto fora da quadra e foi um ano que eu dei meu melhor. Puxa, saí desse ano sabendo que dei meu melhor em TODOS dias, independente de estar perdendo ou ganhando. Fiz o que eu podia fazer, então estou satisfeita.

Você falou em “mental” e “rotina”. Em março, você já estava fazendo meditação todo dia. Como isso chegou até você? Você procurou alguém, alguém te procurou, como foi?

Na primeira vez que eu tive contato mesmo, eu treinava no Larri [Passos], e ele sempre falou. A mulher dele praticava ioga, e ele sempre falava que pra mim ia ser muito bom fora da quadra. Eu tinha uma professora lá em Balneário que me ajudava duas, três vezes por semana, mas nunca foi uma rotina que… Eu fazia ali como se fosse uma aula de pilates. Fazia uma aula de exercícios também e, quando viajava, muitas vezes eu deixava de fazer. Aqui na Tennis Route, eu voltei a praticar diariamente. Todo dia antes do café da manhã eu faço. São as minhas rotinas. Tem algumas mentalizações, algumas respirações antes do café do manhã, pra começar do dia bem, e antes de dormir, à noite. São momentos do dia que a gente dá para a gente mesmo. Tem gente que se sente bem com outras coisas, mas me apeguei a isso e estou gostando.

Você faz visualização do tipo antes do jogo, de pensar “minha direita tem que estar assim”, minha esquerda…

(interrompendo) Não, não. Na verdade, não é só para o tênis isso. É pra minha vida, tanto que fora da quadra, até atitudes eu estou tendo diferentes. É mais para eu conseguir mais viver o presente e saber que eu estou fazendo o meu melhor. E não é só jogando tênis. É cumprimentando uma pessoa, é no estresse do dia a dia, então influencia muitas coisas.

Bia_div_blog

Você lê alguma coisa sobre zen-budismo? Porque você está me dizendo coisas que eu li em livros desse tipo…

Não, mas eu cheguei a ler uns livros do [guru indiano Paramahansa] Yogananda. Tem muita relação com isso, né? E eu aprendo muito com o João Zwetsch. Ele me ensina muita coisa. Nas poucas gente que a gente conversa, o papo dura bastante. Os dois gostam de falar (risos). No fundo, tem gente que se apega a religião, tem gente que se apega a ioga, meditação, e tem gente que se apega a outras coisas, sei lá. Todo dia de manhã vai lá na praia e volta. Às vezes, aquilo ali coloca a pessoa bem. Então é muito relativo. Pra mim, isso encaixou e independente de ser ioga ou não, eu estou me sentindo bem. Isso é o que vale.

Você já leu um livro do Phil Jackson, aquele que foi técnico do Chicago Bulls do Michael Jordan? Não sei se você curte esse tipo de livro… Um livro chamado Cestas Sagradas…

Não, não. Achei que você estava falando daquele Jogando Para Vencer.

Não.

Esse é muito bom!

De quem é?

John Wooden, um treinador da NCAA. Ele foi dez vezes campeão da liga. É muito bom, muito bom.

Mas nesse livro do Phil Jackson, ele conta que distribuía livros aos jogadores quando tinha uma sequência de jogos fora de casa. Cada livro tinha alguma mensagem que normalmente tinha relação com o papel que o Phil Jackson queria que o jogador fizesse no time. E um desses livros era de um mestre japonês chamado Shunryu Suziki. O livro chama Zen Mind, Beginner’s Mind. E era sobre você aprender ou reaprender a ver as coisas do dia a dia como se fosse criança, como se tudo fosse novidade. Para você não se deixar cair na banalidade do dia a dia, sabe?

É, não criar expectativa! Tem muita gente que espera algumas coisas que não tem que esperar. Tipo assim: se eu ficar esperando ganhar um torneio, eu não vou ganhar. Eu tenho que ir lá, sacar, fazer meu forehand porque ali eu tenho chance de ganhar o ponto pra ter chance de ganhar o game pra ter chance de ganhar o set porque a outra também está fazendo a mesma coisa! O tênis, cara, é muito difícil. Todo mundo hoje está bem fisicamente e mentalmente, e a cabeça comanda, no fundo, né? Tem que estar muito tranquila porque você já tem a bola, a rede e a linha contra você. Tem o outro jogador, tem a torcida… Se você se martirizar toda hora, você está ferrado.

Você falou em “esperar”. Ainda te incomoda as pessoas esperarem tanto de você?

Cara, pra mim não muda nada. Se falarem que eu vou ser boa, que eu saco bem, que eu bato bem… O que eu tenho que fazer é entrar na quadra, dar o meu melhor e acabou. Achar não resolve nada. Pô, eu acho que, sei lá, o Thomaz pode ser número 1 do mundo…

(interrompendo) Mas esperar é pior, né? É mais forte!

É, esperar. Você espera que eu seja número 1 do mundo… É a cultura do brasileiro. Eles são carentes de ídolo, né? Então se não for o Guga, não está bom. Olha o Thomaz. Desculpa a palavra, mas o Thomaz joga pra caralho! Ele joga muito tênis, é um cara que para mim pode estar entre os 20 do mundo tranquilamente. Ele tem cabeça boa, mas é aquilo… Os caras contra quem ele joga… As pessoas não têm noção. Quem fala isso, não tem noção da realidade. É muito mais duro. É muito treino, é muita força de vontade e dedicação pra você ter uma chance. Para você ter chance! Nada está garantido.

Isso vem um pouco porque muita gente não tem noção mesmo da profundidade do tênis, né? O tamanho do buraco…

É muita coisa que influencia. É muita coisa em volta que as pessoas não veem. Como chegar e dizer “é só jogar a bola aqui que a Bia erra”. Pô, você sabe quantas bolas eu treino pra falar isso? Você acha que eu não sei que tenho que melhorar minha movimentação? Sabe quantas vezes por dia eu corro na quadra pra melhorar minha movimentação? Só que eu tenho “dois metros”, você quer que eu faça o quê?

Bia_div5_blog

Você tem quanto de altura mesmo?

1,85m. E querem que eu me mexa que nem a Halep. Não, mas eu vou! Pra mim… Eu quero ser a mulher mais alta que se movimenta melhor. Porque você vê a Kerber, a Halep, a Azarenka, as mulheres correm hoje.

Eu tinha perguntado lá no começo sobre seu melhor momento do ano. E o pior, qual foi?

Pior momento? (pensativa)

Teve um pior momento?

Cara, não tive um pior momento. Acho que todos momentos foram especiais.

Fed Cup, talvez? Ficou com um gosto amargo porque era um confronto ganhável [o Brasil perdeu da Argentina por 2 a 1]?

Não, não. A menina jogou muito, a Nadia [Podoroska]. Eu tinha ganhado dela na semana anterior, tinha feito duas semis seguidas, estava cansada, e a menina foi superior. Mérito total da Argentina.

E a Olimpíada, como você viveu? Tanto a parte de não jogar quanto a de ver os Jogos Olímpicos na cidade…

Ah, eu curti. Estava aqui, fui lá. Vi basquete, vi handball, tênis de mesa, achei demais! Tênis de mesa foi o mais legal de ver, o handball do Brasil foi show, os meninos estavam jogando muito bem, uma equipe unida. Acho que todos estádios onde o Brasil estava jogando, a energia estava sensacional. Não esperava que fosse repercutir tão bem. A abertura foi linda, o encerramento foi maravilhoso. Lá fora todo mundo dizia que era no Rio, “tem tiro, vou morrer”…Foi demais. A gente mostrou para o mundo que Brasil é tão ou mais capaz do que outros países de fazer qualquer coisa. Foi sensacional.

Do tênis, você viu alguma coisa?

Na TV só. Eu tentei ir um dia, mas não tinha como pegar ingresso…

A CBT não tinha ingresso pra dar?

Não, não [foi isso]. Até tinha algumas opções, mas coincidia porque eu tinha treino. Acho que eu podia ir na final ou um dia, mas não coincidiu os horários, por isso eu fui nos outros esportes. Mas só de estar todo mundo aqui do lado de casa, achei demais.

Avançando… você terminou com ano com dez vitórias seguidas e dois títulos em ITFs de US$ 50 mil. Aí volta pra casa, acaba o contrato com os Correios, e a Asics está saindo do tênis. Bate um desânimo?

Está sendo um momento delicado para todos. Eu sei porque para o Thiago [Monteiro] também sei que está difícil. Para o Thomaz também está difícil. Para todos está difícil. Hoje, assim, estou muito tranquila no que eu tenho que fazer, que é jogar e seguir nessa pegada. O que vai acontecer fora da quadra vai depender do meu dia a dia e de como eu for este ano [2017]. Não esquento com esse negócio de patrocínio e dinheiro porque se você ficar jogando pelo dinheiro, “putz, não vou pagar minha conta”, não [dá certo].

Com o que você tem de patrocínio e com a IMG, você consegue jogar tranquila o ano, no calendário que você quer?

Não, não. Não, vou te falar que, pô, terminei com dez jogos invictos, número 1 do Brasil até agora [Bia estava à frente de Paula Gonçalves no dia da conversa], e começar o ano sem saber como vai começar é muito difícil. Hoje, para você, por exemplo, pagar um treinador, um centro de treinamento, para ter uma viagem e pagar alimentação sua e do seu treinador, hotel do treinador, transporte… Às vezes tem que trocar uma passagem, tem que treinar aqui, ali… É muita coisa que envolve. É muito caro, e vou te falar que o momento está duro para o Brasil. Eu estou no meu melhor momento do ano, e a gente está tentando achar alguma coisa porque… Eu tento não me preocupar com isso, mas sei o quanto é importante. Sei que vou conseguir resolver meus problemas dentro da quadra.

Nesse calendário que você montou, começa no WTA Shenzhen, onde você ganhou convite…

Aí tem Austrália, Fed [Cup], [ITF de] Surprise, [ITF de] Santa Fe e [WTA de] Acapulco.

Isso já está fechado, dá pra fazer com tudo pago?

Não, hotel e passagem ainda não comprei, mas é o plano A. Aí tudo depende. É claro… Se você toma cinco primeiras rodadas, aí você vai pra Challenger. Você ganha um WTA, muda. Tudo depende de como você estiver indo, mas a ideia é essa.

Bia_div3_blog

E você estabeleceu uma meta pra 2017?

Na Tennis Route, eu tenho meta de estudo, meta de tênis e meta minha comigo. Essas três. A minha comigo é terminar bem fisicamente. Graças a deus entrei numa linha que não estou mais me lesionando, não existe mais cãibra, essas coisas. já passei por isso e já estou muito bem de cabeça. A gente está trabalhando coisas muito específicas do meu jogo, então quero começar na quadra, independente de ganhar ou de perder, começar a colocar o que eu venho fazendo no treino dentro do jogo.

O quê, especificamente?

Ah, eu acho que o tênis hoje está muito agressivo. É buscar mais a rede. As meninas estão cortando o tempo, usando muitas paralelas. O tênis está renovando toda hora. As meninas acabaram emagrecendo e isso, você correr mum rali, jogar em pontos longos, ter a possibilidade de, num ponto importante, a menina dar um drop shot, e você chegar na bola… Minha maior arma sempre foi meu saque e minha força, só que eu posso treinar para ser sólida que nem a Kerber? Por que eu não posso fazer isso? Então emagreci para tentar estar rápida. Tem muita coisa que envolve. Eu sou grande, sou canhota, tenho que jogar agressiva, mas tenho que buscar onde melhorar. Ficar mais magra já está me ajudando muito. Você se sentir bem, saber que ganhou o ponto sem usar tua maior arma, isso é demais! É muito legal.

E isso passa a confiança para o resto. Em qualquer jogo que estiver pau a pau, se você ganha dois ralis realmente longos, isso muda muito a balança do jogo porque mexe com a cabeça da outra…

E mulher oscila. A gente oscila muito, né? Você vê direto jogo de 4/0 ficando 4/4 e aí uma faz 6/0, a outra faz 6/1…

O saque tem um peso menor também, né?

Aí eu acho que já tenho mais vantagem porque sou uma menina alta e saco pra ganhar o ponto no saque. Isso é bom, mas ao mesmo tempo eu tenho que treinar mais a minha devolução. Cada uma tem suas especificidades. Mas a minha meta é isso aí. Em relação a ganhar jogo, cara, se eu fizer meu melhor e ganhar ou perder, já está bom.

A meta de estudo como é?

E faço administração na Estácio. Tenho as minhas notas, minhas médias, então minha meta é sempre estar bem. Sempre fui bem no colégio, nunca tive problema, e sempre quis manter isso. Até o Thiago faz o mesmo curso que eu, e a gente faz as mesmas provas. Essa semana, a gente tem quatro provas. A gente tem a pré-temporada também, mas dá tranquilo porque tem muito tempo de viagem, aeroporto, onde dá tempo de estudar. Estou curtindo, terminando o segundo ano.

Você sempre estudou em colégio com aula presencial?

Eu fui até o último ano. Eu fiz o terceiro ano [do ensino médio] à distância porque deu um problema com o colégio, e eu tive que fazer à distância.

Eu imagino que seja complicado isso…

Você indo pra aula, já perde meio período de treino, mas acho que nessa idade é importante ir pra aula. Tem gente que é louco, larga o colégio na sétima, oitava série. Pra mim, isso é totalmente loucura. Largar o colégio, jamais! Acho que a pessoa que faz até o terceiro ano pode tranquilamente jogar tênis. Eu hoje faço faculdade e jogo tênis. E hoje tem ensino à distância, que facilita muito. Eu sei de outros atletas que fazem, não é só tenista. Porque não é um país de cultura do esporte. Não é que nem nos EUA, onde o cara vai para o college. E no college também não sei se dá pra você ser profissional. É duro, você tem que ver o que é melhor pra você e suas prioridades. Se você tem a prioridade de estudo, talvez treinar meio período não é ruim. Se sua prioridade é ser um bom jogador, um profissional, então às vezes tem que abrir mão de outras coisas. Mas tão cedo não é necessário.

Bia_div8_blog

Agora vem cá… Foi um grande agito em fóruns – não sei se você costuma ler isso – quando se soube que você e o Thiago [Monteiro] estavam namorando. Como é namorar tenista?

A gente é muito parecido, assim. É… (pensando) A gente é muito tranquilo, não é de sair muito…

Vocês se conhecem desde Camboriú, né?

É, a gente é muito amigo desde muito tempo. A gente viajava junto, né? Acho que teve uma viagem que eu fiz que eu tinha 11 anos, ele tinha 13, pra jogar um Sul-Americano de 14 na Venezuela. A gente nunca imaginou que fosse namorar! A vida é muito louca, né? Mas o importante é que ele me ajuda, eu ajudo ele. A gente tem noção que o tênis na nossa vida é o nosso trabalho, é o mais importante no momento. A gente tem uma vida em que se vê muito pouco também porque quando um está viajando, o outro volta. Ele está aqui no Rio, eu tô na China. Aí eu volto, ele está não sei onde, é duro. Mas o mais importante é que a gente está bem, está tranquilo.

Ele estava com você nessa última viagem, não?

Ele estava, ele estava.

E como é ganhar um torneio com o namorado ali do lado?

Ah… (envergonhada)

Você ficou vermelha agora… Por que você tá com vergonha?

É que a gente sempre foi muito amigo, então…

Vocês namoram há quanto tempo? Começou este ano?

É… (pensativa) Não (envergonhada)

Tá bom, não precisa dizer (risos de ambos).

Mas é que a gente começou muito como amigo. É muito louco porque no começo a gente sempre… Como a gente conviveu muito como colega de treino… É recente que a gente começou a namorar, então…

Muda uma chave em algum lugar, né?

É! É muito louco (risos de ambos). Porque eu… Pra mim… Quando eu estou com ele aqui, a gente treina junto. Não tem essa de “você é meu namorado, senta aqui comigo”. Não! Estamos no treino. A gente é muito à vontade, se ajuda. Ele é muito tranquilo, eu sou muito tranquila. A gente não briga por nada. A gente só se apoia. Então… A gente se gosta, é o mais importante (risos).

E como você viu este ano dele?

Ah, foi demais. Vou te falar que para mim o diferencial dele não é este ano. As pessoas olham porque ele ganhou do Tsonga, ganhou do Almagro, mas quem conhecia a pessoa que ele é, de onde ele veio… Cara, a humildade dele! Ser um menino que sempre quer o bem de todo mundo e, dentro da quadra, que é o mais importante, ele dá o melhor dele. Você vê ele treinando, você fica preso naquilo ali. Ele é um menino muito diferente, independente dos resultados. Ele lesionou ano passado, faz um ano dessa lesão, e ele aprendeu muito com isso. Ali, ele tomou um tempo e aprendeu algumas coisas que fizeram total diferença para este ano. Ele sempre teve um sonho e tenho certeza que só está começando a carreira dele. Ele merece. É um ano muito especial.

Verdade.

É que eu vejo muito mais a pessoa dele. Todo mundo vê ele na TV e fala “nossa, ele joga muito”, “é o próximo Guga”, mas eu vejo a pessoa dele, vejo que o tênis dele é… Você vê que é um menino que treina muito. Eu vejo muito mais por esse lado, da personalidade, do trabalho duro dele, que é muito mais do que só ter ganho aqui ou ali. Os resultados não vêm por acaso.


Grand Slam Clube: uma nova ideia no tênis
Comentários 1

Alexandre Cossenza

GSCCard_abre_blog

Fazer jornalismo não é fácil. Jornalismo de verdade, bem feito. Isento, podendo escrever sobre qualquer assunto, mostrando lados bons e ruins de qualquer pessoa, evento ou instituição. Sem apelação e sem caça-clique. Com apuração e a notícia mais precisa possível, mesmo quando a internet estiver cheia de boatos. É preciso informar, explicar e analisar. Nada disso é fácil.

É difícil sustentar uma máquina assim, com todas engrenagens funcionando direito, e entregar um produto de alto nível para o leitor. Mesmo assim, a gente quer fazer isso. Quando digo “a gente”, falo de mim, de Sylvio Bastos e Giuliander Carpes. Sylvio é técnico e professor de tênis. É o comentarista do Fox Sports. É nossa “perna” técnica. Giu cobriu tênis pelo Estado de S. Paulo e pelo Terra. É mestre em Mídia e Negócios pela Erasmus University Rotterdam, uma das melhores do mundo em empreendedorismo. É nosso cara do “business”, digamos assim.

GSCCard_blog

Juntos, estamos tocando o projeto do Grand Slam Clube. Mas que “clube” é esse? O Grand Slam Clube (GSC) vai ser um site de notícias e clube de vantagens ao mesmo tempo. Vamos dar todas notícias relevantes do mundo do tênis, mas faremos mais do que isso. Queremos colocar o fã na beira da quadra, o mais perto possível do esporte e dos tenistas.

Para isso, planejamos e já fechamos algumas parcerias. Os “sócios” do Grand Slam Clube vão ganhar ingressos para o Rio Open e outros torneios, terão acesso a áreas restritas em alguns eventos, ganharão produtos, testarão raquetes e entrevistarão tenistas. Isso sem falar em algumas parcerias que estão em andamento (anunciaremos quando os acordos estiverem 100% fechados).

Clique aqui e se associe agora ao Grand Slam Clube!

E como isso funciona? Os associados pagam uma taxa anual, e é esse dinheiro que vai ser o pilar de sustentação do Grand Slam Clube. O GSC não vai, por exemplo, vender espaço publicitário para uma empresa que não quer críticas. E, como serão os associados que vão manter o site no ar, eles terão o que pudermos oferecer de melhor.

Temos dois planos de assinatura. O básico, chamado “Plano Masters”, custa R$ 100. É um valor anual. Para não ficar dúvida: você paga uma vez e fica associado por um ano inteiro. Chamamos ele de plano “básico”, mas ele não dá direito a pouco, não. O assinante Masters acessará toda a parte fechada do site. Ele terá direito às reportagens especiais; ao fórum de discussão, onde você vai estar em contato direto com os três sócios do site (Sylvio, Giu e eu) e poderá sugerir pautas; e ao fantasy game que desenvolveremos. Além disso, o sócio Masters terá descontos exclusivos em produtos da nossa loja virtual e brides a cada seis meses de associação.

GSCCard_vantagens_blog

Quem assinar o plano premium, chamado “Grand Slam”, terá direito a participar das promoções e das experiências. Isso inclui testes de raquetes, entrevistas com tenistas, ingressos para torneios e acesso a áreas restritas em eventos. Isso tudo, claro, além do acesso à parte fechada do site, igualzinho ao sócios Masters. Este plano premium custa R$ 250 (é possível pagar em uma vez ou parcelado). De novo: o valor é anual. Quem pagar os R$ 250 – e nada além disso – será sócio Grand Slam por um ano.

O site será todo fechado para assinantes?

Não. Relatos de jogos, entrevistas coletivas e o noticiário comum, com tudo que você está acostumado a ler nos sites de tênis por aí, você também vai ler de graça no Grand Slam Clube, só que do nosso jeito. Um jeito um pouco diferente, você vai ver. A parte fechada terá nossas reportagens exclusivas. Entrevistas especiais, análises e reportagens especiais. Coisa boa, eu garanto.

Quando o Grand Slam Clube ele estará no ar?

Atualmente, estamos no processo de captação de sócios. Optamos por fazer isso via crowdfunding no site Kickante. Se alcançarmos nossa, meta, o desenvolvimento começará no início do ano. Nossa intenção é ter o site no ar, em pleno funcionamento, em fevereiro de 2017, antes do Rio Open. Até porque o torneio já é nosso parceiro e teremos mais de 50 ingressos para sócios do plano Grand Slam.

O que o Grand Slam Clube terá de diferente dos demais sites de tênis?

Nossa ideia é publicar conteúdo importante e da forma mais acessível possível, com uma linguagem simples e direta, mas sem deixar de mergulhar no assunto com a profundidade necessária – quando for o caso. Teremos mais vídeos e entretenimento, mas sem deixar de falar sério e fazer críticas nos momentos em que considerarmos adequado.

O blog Saque e Voleio fará parte do Grand Slam Clube?

A princípio, o blog Saque e Voleio continuará hospedado no aqui no UOL, mas com link dentro do Grand Slam Clube. Nossa intenção – e já tive conversas sobre isso – é eventualmente levar o GSC para o UOL, mas ainda é cedo para falar nisso. Antes, precisamos da sua ajuda, se associando e divulgando o Grand Slam Clube para seus amigos.

Como fazer para se associar?

Simples. Basta ir até a nossa campanha de crowdfunding, escolher um plano e fazer o pagamento. Ao fim da campanha, se tudo der certo, você começará a receber atualizações sobre o desenvolvimento do site. Assim que ele estiver no ar, enviaremos logins e senhas para a parte fechada.

E agora?

Nós três – Sylvio, Giu e eu – esperamos que mais pessoas gostem da ideia da mesmo maneira que nós gostamos e que juntos com os associados, seja possível levar o Grand Slam Club adiante.

Tem alguma dúvida? Escreva e pergunte. Meu email está na aba da direita do blog, na aba “sobre o autor”. Também estamos disponíveis no Twitter ou no Facebook. Fique à vontade. A casa, ou melhor, o clube é seu.


A CBT está a serviço de quem?
Comentários 2

Alexandre Cossenza

Lacerda_Davis_Andujar_blog

Talvez a maior crítica feita à Confederação Brasileira de Tênis (e são muitas críticas, feitas por muita gente – pelo menos quando os microfones estão desligados) é que o órgão máximo da modalidade no Brasil gasta energia demais com questões pessoais de seu presidente, Jorge Lacerda, quando poderia estar mais envolvido em resolver assuntos de maior importância para o desenvolvimento da modalidade e seus atletas.

citei aqui no Saque e Voleio vários casos, incluindo o Circuito de Tênis Escolar Universitário e a Nike Junior Tour. Mais recentemente, Lacerda usou sua posição para exigir do Comitê Rio 2016 a não-contratação da jornalista Diana Gabanyi. Todos casos envolveram questões pessoais do presidente da CBT.

Neste fim de semana, recebi um documento com mais um exemplo desses. Lacerda escreve uma carta de apoio a uma das chapas que disputa a presidência da Federação de Tênis do Rio de Janeiro (FTERJ). Entretanto, no texto, endereçado à ''comunidade tenística do Rio de Janeiro'' e enviado a um endereço de email da FTERJ, o dirigente usa mais linhas para atacar Ricardo Acioly, líder de uma chapa concorrente, do que para elogiar a atual gestão da federação fluminense. Acioly é mais um nome visto por Lacerda como parte de um ''grupo'' contra ele. Segue abaixo a reprodução do texto, que pode ser baixado aqui.

CBT_Acioly_col_blog

Não vou entrar no mérito da briga entre Lacerda e Acioly, mas há alguns pontos que preocupam no sentido de que o documento foi redigido por um presidente de confederação.

O primeiro deles é que Lacerda admite ter tomado tempo para protocolar no Tribunal de Contas da União, na Controladoria-Geral da União e no Ministério Público Federal, denúncias contra o suposto grupo do qual, segundo ele, Acioly faz parte. É admirável ver que o presidente se preocupou em analisar minuciosamente um projeto apresentado por quem ele considera opositores.

Tivesse o mesmo zelo com projetos apresentados pela CBT, a Confederação talvez pudesse ter dado sequência ao fracassado Projeto Olímpico. Tivesse Lacerda o mesmo zelo no projeto do Grand Champions, também proposto pela CBT, a Confederação não teria sido obrigada a devolver meio milhão de reais. Lembremos, ainda, que a Justiça Federal aceitou denúncia do MPF contra Lacerda neste mesmo caso do Grand Champions. A acusação é grave, e Ricardo Marzola, parceiro de Lacerda na época, já admitiu que assinou documento falso a pedido da CBT. Não é exatamente leve a questão.

Lacerda_Westrupp_Andujar_blog

Também me causou estranheza Lacerda escrever sobre o evento Copa Rio Juvenil, afirmando que ''com certeza ficará comprovado crime e dano ao erário ao final da investigação.'' ''Com certeza''? Lacerda já julgou o caso e condenou os réus? Soa ousado e desrespeitoso, até porque não me lembro de ninguém do tal grupo de oposição cravando publicamente que Lacerda será condenado ''com certeza''.

No que diz respeito a Acioly, o ex-capitão brasileiro na Copa Davis se defendeu escrevendo uma carta-resposta, que está abaixo e pode ser baixada aqui.

CBT_Acioly2_col_blog

Disso tudo, algumas perguntas importantes ficam no ar, já que Lacerda deixará a presidência da CBT em breve, mas afirma com todas as letras que esse suposto grupo de oposição ''não terá apoio e nem parceria da CBT.''

Será que o presidente eleito, Rafael Westrupp (na foto acima, ao lado de Lacerda), está de acordo com essa postura? Será, aliás, que ele teve conhecimento dessa carta antes de ela ser distribuída? Isso, aliás, leva a outra questão:

O próximo presidente, que faz parte da atual gestão de Lacerda, continuará a política de pouco diálogo e de brigas pessoais com o ''grupo de oposição''?

Enviei essas duas questões à assessoria de imprensa da CBT, mas ainda não tive resposta. Quando receber, atualizarei o post.

Coisas que eu acho que acho:

– Que fique claro: não tomo parte de lado algum na eleição da FTERJ. Embora eu tenha acompanhado relativamente de perto o longo e complicado processo que levou a atual diretoria ao poder, não acompanhei o suficiente do trabalho de Renato Cito para julgar se foi bom ou ruim. Tampouco sei o que Ricardo Acioly planeja para a federação.

– A intenção deste post é levantar a questão de sempre: o órgão máximo do tênis brasileiro está realmente sendo usado em prol do tênis ou virou um instrumento de poder nas disputas pessoais de Jorge Lacerda? Para mim, esse é o ponto realmente importante.

Coisas que eu acho que acho, parte II:

– A CBT renovou o contrato de patrocínio com os Correios, fazendo um péssimo negócio. A estatal pagava cerca de R$ 17 milhões por dois anos (no balanço de 2015 da CBT, consta a entrada de R$ 8,6 milhões). Agora, os Correios pagam R$ 4 milhões pelo mesmo período. Há quem não ache que foi um péssimo negócio para a CBT. Discordo. Ou isso ou a CBT entrega um péssimo produto.

– Imaginemos o seguinte cenário: você, leitor, é fabricante de, digamos, cervejas artesanais. Sua empresa tem um acordo com o mercado X, que paga R$ 17 por cada garrafa de 600ml. Um belo dia, o mercado X anuncia que vai parar de comprar seu produto. O que você faz? Tenta vender a cerveja ao mercado Y, ao mercado Z ou a quem quer que queira comprar.

– Se ninguém estiver disposto a pagar R$ 17 por suas cervejas, talvez seja preciso reduzir o preço. Então sua empresa acha por bem reduzir para R$ 15, talvez R$ 13 reais. É assim que funciona a lei de oferta e procura. Se mesmo assim ninguém quiser fazer negócio, e o mercado X oferecer R$ 4 pela mesma cerveja que você vendia por R$ 17, o que se conclui disso? Ou a sua cerveja nunca valeu R$ 17 ou você está fazendo um péssimo negócio ao vendê-la por R$ 4. Ou ambos…


Thomaz Koch: ícone, ídolo e mestre zen
Comentários 11

Alexandre Cossenza

Koch1_JoaoPires_blog

Aconteceu duas noites seguidas, durante a última etapa do Itaú Masters Tour, em Angra dos Reis. Thomaz Koch, 71 anos, faz uma jogada linda e é aplaudido de pé pela arquibancada inteira. É mais do que uma salva de palmas pelo lance. É reconhecimento, respeito pela história, por tudo que o gaúcho fez no tênis. É também admiração por saber que um senhor de 71 anos consegue jogar naquele nível contra adversários 20, 30 anos mais jovens.

Thomaz Koch é a referência para a maioria dos jogadores do Itaú Masters Tour, um evento que reúne muitos dos grandes nomes do tênis brasileiro – feito que a Confederação Brasileira de Tênis (CBT) falha feio a alcançar. Tão feio que nem tenta mais, e ainda há quem se orgulhe disso. Mas eu divago. É mais do que isso. Para grandes nomes como Nelson Aerts, Givaldo Barbosa, William Kyriakos, Ricardo Mello, Mauro Menezes, Ricardo Acioly e outros, Koch é um ícone. É o carisma, o cabelo comprido, é o mestre zen, é o vitorioso.

Para os tenistas (homens) que vieram antes de Guga, Koch era a referência. Maria Esther Bueno sempre foi a maior do país, mas seus feitos foram 50 anos atrás. A maioria não viu. Koch era mais próximo. E era “o” cara. E foi nesse ambiente de reverência, no mês passado, no resort onde o Itaú faz anualmente a última etapa do circuito, que batemos um papo.

Entrevistar Thomaz Koch é tão fascinante quanto difícil, pelo menos para mim. Vergonha nenhuma de admitir isso. Com ele, é sempre difícil prever o rumo da conversa, então é preciso estar pronto para jogar o “roteiro” fora a qualquer momento. Não tem como (repito: para mim, pelo menos) estar 100% preparado para o rumo que um papo com Thomaz Koch vai tomar. E isso, em tempos de tenistas treinados, atletas bitolados e assessorias de imprensa, é glorioso.

Conversamos por cerca de meia hora, enquanto ele almoçava. Começamos falando sobre a admiração que todos lá tinham por ele, abordamos a homenagem que Koch recebeu em Barcelona este ano e de sua figura na época dos hippies, da luta contra o establishment. O papo, então, entrou no curiosíssimo período em que ele viajou pelo circuito treinando André Ghem, quando os dois quase nunca falavam sobre tênis (!).

O papo englobou o filósofo indiano Jiddu Krishnamurti, o cantor e compositor canadense Leonard Cohen e o “Sugar Man”, Sixto Rodríguez. E aí o papo voltou ao Brasil (culpa minha, admito) para abordar o reconhecimento das gerações pré e pós-Guga, a possibilidade de Thomaz Koch voltar a treinar algum tenista, e sobre como a CBT alijou ex-tenistas que poderiam ajudar o esporte. Leiam!

É bom ver que as pessoas ainda têm essa reverência por você…

Eu estive em Bauru este ano e foi mais ou menos parecido. As pessoas muito contentes. É um lugar de muita tradição, a expectativa era muito grande. Só o fato de eu estar lá já era muito legal. O que acontece também em Porto Alegre, no Leopoldina Juvenil. Inclusive mês que vem [dezembro] vai ter uma comemoração dos 50 anos que a gente ganhou dos americanos na Copa Davis. Estão trazendo o [Edison] Mandarino da Espanha, eu estou indo lá, então acho que é uma coisa bem grande, significativa. Um negócio bem legal.

Como foi em Barcelona?

Uns anos atrás eles estavam comemorando 50 anos do torneio nesse clube, que é o Real Clube de Tênis. Me mandaram um convite, e eu só recebi depois do torneio. Dois anos atrás, o diretor do me falou “a gente vai te convidar quando fizer 50 anos que você ganhou o torneio”. Eu disse “ah, tá legal” e não levei muita fé. Aí, no início do ano, me mandaram um e-mail me convidando para ir com acompanhante. Eu disse “claro”. Eu não estava esperando. Achei ótimo.

E qual foi a sensação quando você chegou lá?

Eu fui com a minha filha. No dia que eu cheguei, me pegaram e me levaram para uma sala lá. Estavam todos os grandes tenistas espanhóis. [Manolo] Santana, [Andrés] Gimeno, [Emilio] Sánchez, [Sergio] Casal, Ángel Giménez, José Arilla, Juan Gisbert… E aí, quando eu cheguei, todo mundo levantou e bateu palma. Era uma coisa muito emocionante. Todos os dias, tinha alguma festividade, jantar, almoço, não-sei-o-que, e no último dia me puseram na tribuna presidencial junto com o Plácido Domingo e o Santana. Foi uma coisa muito reverenciada. Também me botaram na tribuna em um jogo do Barcelona. O presidente do clube me convidou especialmente. Foi muito incrível. Teve um carinho, uma atenção muito grande. Eu não esperava, entende? Claro, fiquei muito grato por isso.

Koch4_JoaoPires_blog

Há quanto tempo você não ia a Barcelona?

Eu estive um ano lá acompanhando o vôlei de praia porque as filhas e o filho da minha ex-mulher (Isabel) jogavam o circuito mundial. Essa tinha sido a última vez.

Então você não ia ao torneio sempre, né? Pergunto porque me parece o tipo de reverência que é exclusivamente pelo seu mérito como tenista. Não é porque você foi ou é amigo de alguém do clube…

Basicamente, mas os ex-tenistas, gente que ganhou Roland Garros e tudo… Inclusive quando eu comecei a jogar o circuito, eu era o mais novo, então todo mundo me chamava de Thomazinho. Até hoje, me chamam lá de Thomazinho. O pessoal lá com Arilla, Santana, Gisbert… Então tem uma parte afetiva também, sabe? Mas do torneio, claro. Convidam todo ano o campeão de 50 anos atrás. Mas eu achei que foi uma coisa especial, entende? Teve mais atenção.

Eu estava falando com o Neco (Nelson Aerts) ontem, falei com o Danilo (Marcelino) também… Você é a referência de todos eles aqui no Masters Tour. Eles falam do seu tênis, mas falam do seu jeito, do cabelo comprido, era a sua figura.

Foi muito impactante. Inclusive na época, era tempo dos hippies, da contracultura, era você lutar ou brigar contra o establishment. Tinha tudo isso, essa referência de ser contra a ordem estabelecida. O cabelo comprido era uma maneira de destacar isso.

Esse é um assunto sobre o qual eu realmente nunca li nada no Brasil. Como o tênis e os tenistas viam a questão política dessa época?

Eu fui o primeiro cara cabeludo no esporte no Brasil, na América do Sul.

Nem os argentinos usavam cabelo comprido naquela época?

Quem? Todos vieram depois de mim. O Vilas me copiava até no jeito de caminhar. Borg, tudo isso, veio depois, Nós somos os primeiros. Éramos três. Torben Ulrich, Ray Moore e eu.

Vocês eram mais do que tenistas…

Muito mais!

Isso não te causou problema nenhum?

Muito! Muitos problemas. No torneio de Los Angeles, por exemplo, cabeludo não entrava. Eu não podia jogar lá. Isso foi antes da ATP. Quando veio a ATP, eles tiveram que abaixar a cabeça porque não tinha mais discriminação. Era uma época diferente. Tinha o apartheid lá na África do Sul, que o [Arthur] Ashe foi quebrar essa coisa. Ele jogou lá e foi muito incrível o movimento que ele criou. Na época, a gente não jogava na África do Sul. Em represália, sabe? Eu lembro até que ofereceram um milhão pro Borg e pro McEnroe, e o McEnroe disse “não vou, não”. Na época, um milhão de dólares era algo impensável.

Koch2_JoaoPires_blog

Aí eu queria entrar em outra questão. Porque você era o ídolo deles, mas…

(interrompendo) Eu não era referência só no Brasil. Eu era uma referência mais forte na América do Sul, tudo bem, mas nos EUA e na Europa também. Era muito forte. Isso me incomodou tanto que eu tive que me afastar. Eu não estava a fim desse buchicho todo. Eu queria ter meu canto, minha paz e tchau, entende? Mas era um movimento forte, grande, intenso, e isso fez eu me afastar um pouco do buchicho.

Isso é uma coisa que muita gente fala até hoje. Que você foi e continua muito “zen”. E não de prática zen budista, mas de ser um cara tranquilão, de não esquentar a cabeça com muita coisa, de levar a vida numa boa. E eu quero muito saber como foi o período que você treinou o André Ghem porque ele também é um cara muito diferente da maioria dos tenistas. Ele é outro papo, outra cabeça! Isso tem alguns anos já (a parceria ocorreu em 2014), mas como isso aconteceu?

Anteontem, ele até me mandou um WhatsApp com uma foto dele com o Robert Marcher, que era um cara que eu convivia bastante na época. A gente se conheceu numas Copas Davis que a gente conviveu. Ele foi convidado como sparring e eu fui lá também, na época que a gente ainda acreditava na Confederação. Eu fui lá e participei de algumas etapas da Davis. Então eu acompanhei ele num torneio no Rio e dei uns toques. Aí ficou aquela coisa, mas ele nunca… Eu que falei pra ele, perguntei se ele não estava interessado que eu acompanhasse ele um tempo. Ele ficou amarradão, e aí foi. Ele é um cara muito legal, gosto muito dele.

Que tipo de conversas vocês tinham? Era mais mecânica de golpe, estratégia de jogo, estilo de vida ou o quê?

Olha, de tênis nem se falava muito, não. Acho que a gente tratava mais da vida.

Isso é bom, né? Difícil ver uma relação assim entre jogador e técnico hoje…

Quando o McEnroe queria que eu treinasse ele, ele não estava querendo que eu arrumasse os golpes dele. Ele queria alguém pra trocar ideia no dia a dia e, de repente, deixar ele mais tranquilo. Eu acho que tem muita coisa fora do tênis, fora de jogar… Por exemplo, você passa muito mais tempo entre pontos do que jogando. Então a importância maior é o que você faz nesse intervalo de tempo entre um ponto e outro. É um tempo muito grande e que geralmente é decisivo. Então o cara fala “bate de direita, esquerda”, tudo bem, bate. Claro que é importante, mas esse intervalo aí, pra mim, é mais importante.

Sem querer entrar demais na intimidade de vocês, tem como dar um exemplo de um papo desses?

Não sei, porque não era nada programado, entende? As coisas acontecem. De repente, um evento, um fato, uma coisa cria um comentário, e daí você vai e entra em situações assim. Eu te dou um exemplo mais antigo. Uma vez, eu estava em Gstaad, na Suíça, era o dia da final. Depois do café da manhã, estava chovendo e eu estava falando com o Vilas. A final tinha sido transferida para as 2h da tarde. Ele perguntou “onde você vai?”, e eu disse “vou ver o [Jiddu] Krishnamurti”. É um filósofo indiano que é muito conhecido. Era num lugar a 17 quilômetros de Gstaad. Ele [Vilas] disse “também vou”. Eu disse para ele ficar porque ele tinha jogo. Ele: “Não, não. Vamos lá!” A palestra dele era de 1h30min, e todo ano ele ia lá, ficava numa tenda, e as pessoas se reuniam lá, acampavam e não sei o quê. Ele [Vilas] foi junto. Eu meio preocupado com o horário dele, mas “vambora” e tal. Assistimos à palestra. Ele [Vilas] ficou tão tocado com essa pessoa, que tinha uma aura, um negócio assim muito incrível, e comprou tudo que tinha. Livros dele e tudo. É um cara que marcou muito ele. Aconteceu ali de o Vilas ficar encantado. E fala nele até hoje. Isso é um exemplo de que, de repente, pá, acontece alguma coisa.

Sei, sei.

Ou é um show ou é música ou palestra, enfim, alguém marcante. Por exemplo, três dias atrás morreu Leonard Cohen. Então o Ghem, por exemplo, no meu iPhone eu mostraria uma música dele, o Ghem ia ficar amarradão e ia começar a pesquisar sobre o cara, entende? Aqui no Brasil, pouca gente conhece Leonard Cohen. E ele é da época de Bob Dylan, anos 60. Quando ele morreu, muitas pessoas me mandaram WhatsApp, dizendo “sinto muito”, “Leonard morreu” e tal. Porque é uma relação. Como teve o Sixto Rodríguez, que era americano e lançou dois discos nos Estados Unidos. Ninguém conhece ele, não vendeu nenhum disco. Aí uma menina levou o disco dele pra África do Sul, e ele se tornou herói da contracultura lá. Ficou mais famoso do que os Rolling Stones. Fizeram um documentário da vida dele chamado Sugar Man. Descobriram ele, ninguém sabia onde ele estava. Esse é outro assunto. Então são coisas assim, entende? São as minhas referências, que eu passo para um e para outro, aí o papo engrena, sabe?

Koch3_joaoPires_blog

Mudando um pouquinho de assunto, aqui temos Givaldo Barbosa, João Soares, William Kyriakos… Personalidades diferentes, gente que teve carreiras diferentes, mas todos estiveram entre os melhores do país em algum momento. Se você sair do meio do tênis, são pessoas muito pouco conhecidas. De quem é a culpa por isso? É da imprensa, a confederação deveria fazer um trabalho maior nesse sentido…

O que aconteceu… Quando a gente fundou, com o Luis Felipe Tavares, a Koch Tavares, a ideia era fazer torneios aqui no Brasil. O Givaldo, o Júlio Góes, o Mauro [Menezes] foram crias desses torneios aqui. Eles não tinham condição de ir para o exterior para jogar torneio. Os pontos deles eram aqui. Chegamos a ter ano com 13 torneios seguidos assim. Isso revelou tenistas e fez eles conhecidos. A Maria Esther [Bueno], se tivesse jogado no Brasil, seriam muito mais conhecida. Infelizmente, ela é um ídolo lá fora. Aqui no Brasil, ela é conhecida, mas não é idolatrada.

Um Júlio Silva, um Ricardo Mello, por exemplo, seriam mais reconhecidos ou até respeitados se tivessem jogado mais aqui dentro, você acha?

Muito mais, muito mais! Desde que viessem jogadores internacionais que atraíssem a mídia. O negócio é que hoje em dia é difícil você atrair um destaque. Ficou inviável. A Koch Tavares foi criada para fazer torneios aqui no Brasil e prestar esse serviço ao tênis brasileiro. Por isso que eu saí de lá depois de um tempo.

Hoje você passa a maior parte do tempo fazendo o quê?

(resposta rápida) Nada. Absolutamente nada.

(risos) Mas você não entra na quadra aqui sem pelo menos bater uma bolinha antes, né? Quantas vezes por semana você joga?

Se tiver alguém legal pra jogar, eu jogo. Se não tiver, eu não jogo. Ultimamente eu tenho até jogado um pouco mais porque vi que isso aí me faz circular o sangue, entende? Me faz bem, então mais do que jogar, vou no paredão, bato uma parede, pulo um pouco de corda e pronto.

Mais duas perguntinhas só… Você voltaria a viajar, treinar alguém no circuito?

Claro.

Que tipo de jogador? Ou nenhum específico?

Nenhum específico.

O que precisaria pra “casar”?

Acho que principalmente interesse do tenista, e o cara acreditar que eu pudesse fazer alguma coisa por ele. Porque o pessoal hoje acha que a gente está antiquado, que a gente está defasado, que é um tênis antigo. A quadra é igual, a pontuação é igual e a maneira de jogar mudou um pouco, mas você tem que tirar o que o tenista tem de melhor. Não estratificá-lo. É dar a chance para ele ser mais criativo. Acho que hoje em dia o tênis está muito…

Bitolado?

Bitolado, é! Eu preferia ver os caras fazendo mais coisas. Acho que eu seria muito bom nessa parte de dar asas à imaginação do tenista, à criatividade dele. E, principalmente, à cabeça do cara. Eu sou muito bom nessa parte entende? Eu acho.

Quem você gosta de ver jogar? Tirando o Federer, que é unânime…

Gosto daquele alemão… Esqueci o nome dele…

Dustin Brown?

Esse! Gostava do Tsonga, do Monfils…

E o Kyrgios?

Acho lindo o jogo dele. Acho incrível! Mas não gosto da cabeça dele. Mas acho um tênis fantástico.

É o que você dizia… Não é um cara bitolado.

Não!

Koch5_JoaoPires_blog

E, pra terminar, como você vê o tênis brasileiro hoje, com uma confederação mudando de sede porque perdeu patrocínio, um centro olímpico que não se sabe se vai ser utilizado para o tênis…

Quanto ao fato de perder o patrocínio, acho que ele estava sendo muito mal direcionado. A grana estava toda indo pra quem não precisa, pra quem já tem. Precisa é canalizar essa grana pro pessoal infanto-juvenil na minha opinião. Treinamento, pré-temporada, essas coisas, sabe? Pra mim, é uma incógnita o que vai acontecer com a Confederação agora. Mudou de sede, de presidente. Torço para que aconteça, entende? Mas sinto que o pessoal do tênis, em geral, não está satisfeito com a situação. Não pode estar. A gente foi alijado do tênis, entende? Quem podia prestar um serviço ao tênis simplesmente foi barrado, está de fora. Acho isso uma pena, um absurdo. E quem mais perde é o tênis.

Acho que é o pensamento geral de quem não está na “panela”, né?

É uma coisa muito amadora, que não condiz com o esporte hoje em dia. O esporte hoje em dia é profissional. Acabou o amadorismo. E as federações, confederações, não do tênis, mas de todos esportes, são regidas de uma maneira muito amadorística. Infelizmente.

Isso sem falar em Copa Davis, na organização, na produção…

Ano passado, em Florianópolis [no confronto entre Brasil e Croácia], eu fui por conta própria. Eu paguei minha passagem, estadia, todo negócio. Cheguei lá, não tinha nem convite. No fim, o [Paulo] Moriguti [diretor técnico da CBT] que me conseguiu um convite. É uma falta de consideração com o pessoal das antigas. O Adriano Ferreira foi pra lá e ficou lá no final da arquibancada.

Eu fui a esse confronto de Floripa, e até as instalações para a imprensa eram precárias.

Eu fui, aluguei um carro, paguei estacionamento… Quando você vai ver, é uma despesa que… Está errado!

Uma despesa que ex-jogador não deveria ter. E muito menos o tenista que mais venceu jogos pelo país na história da Copa Davis.

É. Se tem um cara que tem história na Davis, sou eu. No site da Confederação, se você olhar, o Mandarino é um cara muito importante. Tem um monte de foto lá, e ele não aparece lá. Eu fico muito puto com isso, sabe? O Mandarino não estar? A gente jogou 15 anos de Copa Davis com sucesso! Não ter a foto do cara no site da CBT. Então passa batido, sabe? Nunca chamaram ele para nada aqui no Brasil!


A dívida da Davis e a lição de Del Potro
Comentários 16

Alexandre Cossenza

Argentina_Davis_trophy_reu_blog

Vilas, Clerc, Frana, Jaite, Lobo, Nalbandian, Chela, Cañas, Calleri, Gaudio, Gumy, Puerta, Squillari, Zabaleta… A ilustre lista é longa, e era difícil entender como um país que fabricou tantos tenistas nunca venceu a Copa Davis. Era. A turma do capitão Daniel Orsanic, liderada por Juan Martín del Potro e com competentes coadjuvantes como Leo Mayer, Juan Mónaco, Federico Delbonis, Guido Pella, Carlos Berlocq e Renzo Olivo, bateu a Croácia em Zagreb e conquistou o título, cobrando uma antiquíssima dívida. Sim, era a Copa Davis que devia isso à Argentina, e não o contrário.

Foi a quinta final argentina na Davis e estava longe de ser a melhor chance de título. Em 2008, em Mar del Plata, o time de Nalbandian e Del Potro era favorito contra a Espanha, que viajou desfalcada de Rafael Nadal. Nalbandian atropelou David Ferrer no primeiro jogo, mas Delpo sofreu uma lesão na segunda partida, deixando o (brigado) time dependendo de José Acasuso para forçar o quinto jogo. Não deu. A chance terminou na raquete de Fernando Verdasco, que venceu um jogo nervoso e ruim para dar mais um título aos espanhóis.

Na época, Nalbandian jogou boa parte da culpa nos ombros de Del Potro. O jovem não teria se poupado devidamente para a final da Davis. Talvez Delpo tenha carregado aquela culpa até este ano. Talvez não. Talvez ele apenas guarde mágoa de Nalbandian. Ou nem isso. Difícil saber. O que era impossível mesmo de saber é que Del Potro, depois de tantas lesões nos dois punhos, voltaria à Copa Davis desta maneira.

Em certo momento, o campeão do US Open de 2009 parecia mais um ex-tenista tentando lidar com uma lesão sem solução do que um top 10 que voltaria a brigar com os melhores do circuito. O que aconteceu, no entanto, foi menos Gustavo Kuerten (aposentado por uma lesão no quadril) e mais Rafa Nadal (número 1 do mundo em 2013 depois de ficar afastado por boa parte de 2012).

Em 2016, Del Potro viveu o melhor ano de sua carreira – como ele mesmo afirmou diversas vezes, em várias ocasiões. Derrotou Wawrinka em Wimbledon; bateu Djokovic e Nadal nos Jogos Olímpicos; passou por Ferrer e Thiem no US Open; conquistou um título em Estocolmo; superou Murray nas semifinais da Copa Davis; e completou a temporada com uma virada memorável sobre Marin Cilic, que vencia por 2 sets a 0 e jogava em casa. Esta gloriosa timeline lista tudo.

Mais do que tudo isso, Del Potro deixou a todos uma gigante lição. Mesmo nos momentos mais duros, jamais deixou de acreditar. Sofreu, encheu-se de esperança e sofreu outra vez. Tentou voltar, não conseguiu. Tentou de novo. Falhou novamente. Ralou. Começou do zero. Insistiu. Batalhou. E, finalmente, voltou. E que ninguém ouse duvidar dele daqui em diante.

Coisas que eu acho que acho:

– A Argentina foi campeã como time. Por mais importantes que tenham sido as vitórias de Del Potro sobre Murray nas semifinais e Cilic na final, foram Leo Mayer e Federico Delbonis que venceram os jogos decisivos nesses dois confrontos. Não dá para falar nesta Davis sem mencionar o enorme valor dos coadjuvantes argentinos, impecáveis nos momentos mais importantes.

– O mesmo vale para o capitão argentino, Daniel Orsanic. Um cidadão educadíssimo, que olha na cara, fala o que pensa e escala os melhores. Orsanic não foi contratado para repetir o discurso da federação argentina nem para tentar justificar escolhas patéticas de seus superiores. Assumiu o cargo com uma postura apaziguadora, deixou critérios claros e convocou sempre os melhores. O resultado está aí para todo mundo ver. Não é tão difícil assim.


Quadra 18: S02E16
Comentários Comente

Alexandre Cossenza

Andy Murray derrotou Novak Djokovic, conquistou o ATP Finals e termina o ano como número 1 do mundo. Nas duplas, Bruno Soares e Jamie Murray são a dupla número 1 da temporada. Após o torneio de fim de ano da ATP, Aliny Calejon, Sheila Vieira e eu batemos mais um papo no podcast Quadra 18 e falamos sobre simples e duplas, oferecendo respostas para várias perguntas de nossos ouvintes.

Djokovic continuará vulnerável? O #1 pesará muito para Murray? Federer e Nadal voltarão a brilhar em 2017? Raonic algum dia vai conquistar um Slam? Quais as chances de Bruno Soares também ser #1 no ranking individual de duplas? Quer saber o que a gente acha disso tudo? Para ouvir, basta clicar no player abaixo. Se preferir baixar e ouvir depois, clique com o botão direito do mouse neste link e selecione “salvar como”.

Os temas

0’00” – Rock Funk Beast (longzijum)
0’16” – Sheila Vieira apresenta os temas
1’40” – A importância dos nomes que Andy Murray derrubou no ATP Finals
2’15” – Como o grupo de Djokovic era mais fraco
5’06” – Qual o real peso do Lendl sobre as atuações do Murray?
7’04” – Nole mostrou uma atitude melhor na fase de grupos e na semifinal?
9’42” – Devemos nos acostumar com o Djokovic vulnerável do 2º semestre?
11’02” – Meligeni e a história do “guru” de Djokovic que abraçava árvores
12’05” – Hábitos esportivos da Sheila e comentários aleatórios sobre quadribol
14’06” – Na briga pelo #1, Djokovic x Murray finalmente será uma rivalidade?
14’58” – Federer e Nadal vão voltar a brigar em 2017? E o tal implante de Nadal?
16’02” – Murray vai ter cabeça para seguir no topo?
17’17” – Raonic como #3 e Wawrinka como #4
18’50” – Raonic vai ficar sempre no quase ou vai além disso?
19’51” – Será que agora os fãs de tênis vão finalmente respeitar Raonic?
21’40” – Black Hole Sun (Ramin Djawadi)
22’05” – O título de Kontinen e Peers e o número 1 de Bruno e Jamie
23’15” – Como o jovem Henri Kontinen subiu meteoricamente no circuito de duplas
27’04” – Quais as chances de Bruno ser #1 no ranking individual de duplas?
27’48” – É mais importante ser o maior duplista ou estar na melhor dupla?
28’40” – Dodig e Melo: a campanha no Finals e o resumo dos 5 anos de parceira
31’28” – IPTL: o que esperar?


Andy Murray, o número 1, e a ‘chancela Djokovic’
Comentários 1

Alexandre Cossenza

Murray_Finals16_trophy_get_blog

Andy Murray foi campeão de Wimbledon, bicampeão dos Jogos Olímpicos e terminou a temporada com o título do ATP Finals. Fez outras duas finais de Slam (perdeu para Djokovic na Austrália e na França), ganhou em Roma, em Queen’s, em Pequim, em Xangai, em Viena e em Paris. A lista é enorme. Venceu 22 jogos seguidos de junho a agosto. De setembro a novembro, estabeleceu outra série enorme, com 24 triunfos. Uma sequência espetacular em que o escocês ainda teve gás para ficar em quadra por 3h38min na semifinal e, no dia seguinte, derrotar o rival na briga pela liderança do ranking.

Os números são, sim, incontestáveis. O número 1 é quem faz mais pontos durante o período de 52 semanas. Ainda assim, pairava para alguns a dúvida: Murray teria assumido a ponta do ranking porque jogou pouco contra o sérvio? Nos quatro confrontos anteriores este ano, Nole triunfou em três. O que aconteceria, então, no embate direto pela ponta do ranking? Pois Murray foi lá e cravou um 6/3 e 6/4 que pareceu mais fácil do que o placar indicou. Não fosse um deslize do britânico no fim do segundo set, Djokovic nem teria tido a chance de esboçar uma reação.

Era a chancela que faltava: número 1 nos pontos, mas com a posição estabelecida em cima do grande rival. Foi o resultado para completar uma temporada memorável. Foi o retrato do segundo semestre, e Murray, é preciso dizer, fez um dos segundos semestres dos mais brilhantes da história. Teria sido ainda mais folgado se os Jogos Olímpicos Rio 2016 dessem pontos no ranking – como em Londres – mas a briga precisava ir até o final. Aos olhos (injustos) de muitos, Murray ainda não tinha a validação necessária como número 1. Pois tem agora.

Sobre a decisão, não há muito a dizer. O britânico foi sólido e agressivo, especialmente com o saque. Apostou em arriscar sempre o primeiro serviço, mesmo dando margem para Djokovic atacar seu segundo saque. Funcionou. O sérvio, por sua vez, atacou menos e mostrou menos precisão. Pouco arriscou com o backhand na paralela – talvez seu golpe mais importante contra Murray. Quando foi para as linhas, quase sempre errou.

Ao insistir na esquerda cruzada, Nole fez o jogo que deixa seu rival mais confortável. Era preciso mexer mais o escocês. Era preciso forçá-lo a usar mais o forehand, golpe bem menos sólido. Djokovic só conseguiu fazer isso no finzinho da segunda parcial. Já era tarde demais. Talvez o sérvio tenha pagado o preço por cair numa chave menos complicada na fase de grupos. Por ter sido menos exigido. Mas a sólida atuação contra Nishikori na semifinal praticamente lhe colocou como favorito ao título.

No entanto, na hora mais importante, o ex-número 1 ficou devendo – como aconteceu quase sempre após Roland Garros. Djokovic falhou em momentos decisivos contra Querrey em Wimbledon, perdeu dois tie-breaks para Del Potro no Rio, tombou na decisão do US Open diante de Wawrinka. Enquanto isso tudo acontecia, Murray fazia sua escalada. Estava mais de oito mil (!!!) pontos atrás do sérvio após o Slam francês. Terminará o ano 630 pontos à frente. Incontestável.